Empresas Turismo e zona Sul "bronzeiam" contratações durante o Verão

Turismo e zona Sul "bronzeiam" contratações durante o Verão

As intenções de recrutamento parecem acompanhar o movimento típico dos portugueses entre Julho e Setembro. Inquérito da ManpowerGroup alerta os empregadores para a "pressão adicional e crescente" na retenção do talento.
Turismo e zona Sul "bronzeiam" contratações durante o Verão
Miguel Baltazar
António Larguesa 13 de junho de 2017 às 15:29

As empresas portuguesas prevêem uma criação líquida de emprego de 12% nos próximos três meses, dois pontos acima da projecção feita no trimestre anterior, em resultado de 15% dos empregadores anteciparem um aumento nas contratações e de apenas 3% estimarem uma diminuição.

 

De acordo com a mais recente edição do "ManpowerGroup Employment Outlook Survey", que teve a participação de 625 empresas em Portugal e projecta uma subida das contratações nos nove sectores analisados, a área do turismo, que inclui a restauração e a hotelaria, é o que mais irá contribuir para a criação líquida de emprego (+29%) nos três meses do Verão. E também a que reporta uma melhoria mais acentuada, de 13 pontos, face ao segundo trimestre.

 

Em termos geográficos, a região Sul é a que mais sobe em relação ao estudo anterior e aquela que concentra as melhores perspectivas de criação líquida de emprego (+21%) neste período marcado pelas férias. Ainda assim, também os empregadores do Centro (+11%) e do Norte (+10%) evidenciem um considerável optimismo ao nível das contratações.

 

O estudo trimestral desta multinacional de Recursos Humanos, presente no mercado português desde 1962, analisa ainda a criação líquida de emprego mediante a dimensão das empresas. E mostra que são as grandes (21%), mais do que as pequenas (14%), as médias (13%) ou as micro (8%) que mais processos de recrutamento irão concretizar entre Julho e Setembro deste ano.

 

As empresas que procuram ampliar as suas equipas terão de manter-se muito atentas ao que os candidatos mais valorizam para a decisão num processo de mudança profissional. Nuno Gameiro, director da ManpowerGroup Portugal

Com a busca por talento a aumentar para preencher mais postos de trabalho, ao mesmo tempo que a taxa de desemprego tem vindo a recuar, o director da ManpowerGroup Portugal, Nuno Gameiro, sublinha que "o foco das empresas será reajustado para a reformulação e melhoria de competências das suas pessoas, o que colocará uma pressão adicional e crescente na vertente de retenção do talento".

 

"As empresas que procuram ampliar as suas equipas terão de manter-se muito atentas às expectativas dos candidatos, aquilo que mais valorizam para a decisão num processo de mudança profissional. Os tempos que se aproximam são excitantes e de grandes desafios para a actividade de recrutamento, obrigando ao desenvolvimento de novos modelos e processos operacionais para garantir a atracção do talento certo", atesta o gestor da filial deste grupo americano, que em 2008, após comprar o franchising, passou a ter presença directa em Portugal.

A maior dinâmica no mercado de trabalho, em particular na hotelaria e em algumas áreas industriais, tem aumentado a atractividade do país para as empresas de Recursos Humanos, inclusive internacionais. Como o Negócios noticiou na semana passada, o grupo espanhol Constant foi um dos últimos a entrar em Portugal para prestar serviços de "outsourcing" e trabalho temporário, esperando até ao final do ano ter cinco escritórios e facturar seis milhões de euros.


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Já se sabe que desde que a troika foi embora Portugal voltou a ficar condenado a ser país de criadas de quarto de hotel, taberneiros e atendedores de chamadas telefónicas em part-time.

comentários mais recentes
TinyTino Há 1 semana

Não comecem a abrir os cordões à bolsa e depois vão ver. Conheço um restaurante que tinha um óptimo empregado, e não lhe querendo pagar mais agora tem dois a fazer o serviço que um só assegurava. São as poupanças dos empresários tugas...

Anónimo Há 1 semana

Ó Anónimo dos direitos adquiridos à prova de mercado, a tua compulsão para vir aqui escrever é tanta que devias dar numa boa J. K. Rowling. Vai escrever para o mundo. A humanidade aguarda as tuas obras literárias. Os comentários neste jornal não têm valor literário nem são pagos.

Anónimo Há 1 semana

Ó Anónimo mais votado, ficamos com esses ao invés de quê? Que tipo de trabalhadores tinhamos no tempo que fomos além da Troika?? E tu?? o que és?? queres ver que és o Warren Buffett aqui disfarçado de Anónimo dos excedentários!!! Rotflllll. Vai trabalhar, faz alguma coisa da vida!

Anónimo Há 1 semana

Já se sabe que desde que a troika foi embora Portugal voltou a ficar condenado a ser país de criadas de quarto de hotel, taberneiros e atendedores de chamadas telefónicas em part-time.

pub
pub
pub
pub