Empresas Turismo: "Hoje há quem pague para apanhar azeitonas"

Turismo: "Hoje há quem pague para apanhar azeitonas"

Os turistas estão cada vez mais dispostos a conhecer como são feitos os produtos típicos e a prová-los. Portugal quer a mesa sempre posta numa altura em que o turismo cresce. Só falta uma estratégia a longo prazo.
Turismo: "Hoje há quem pague para apanhar azeitonas"
Miguel Baltazar
Wilson Ledo 27 de dezembro de 2016 às 22:00

A Associação Portuguesa de Turismo de Culinária e Economia (APTECE) acredita que a maioria das empresas em Portugal não está preparada para adoptar o turismo gastronómico nas suas práticas. Para o presidente José Borralho, falta uma estratégia orientadora, com as mudanças de Governo a impedirem a sua cristalização. A distinção de restaurantes com estrelas Michelin – Portugal já tem 26 – tem ajudado mas ainda há o mercado da tradição por explorar.

Portugal está a saber aproveitar o turismo gastronómico?

O país começa a estar mais sensível para essa questão. Também os diferentes agentes, como a AHRESP, com um projecto de promoção da gastronomia portuguesa a nível internacional. Mas ainda temos muito que fazer.

Como?

As nossas embaixadas deviam  dar o exemplo e servir produtos portugueses. Pode parecer complicado mas não é. Temos excelentes escolas de hotelaria a formar profissionais, a quem deveria ser dada a oportunidade de estagiar nessas representações diplomáticas.

Para se criar marca.
Os circuitos de procura gastronómica têm que ver com a lembrança que levo desse território e depois o que encontro no meu país. No caso português, estamos quase sempre a falar do vinho e do azeite. Este movimento deveria ter subjacente uma estratégia nacional que tem de incluir a indústria produtora, quem promove, quem trabalha o turismo.

A APTECE está a fazer esse trabalho com a secretaria de Estado do Turismo?

Desde sempre. O que a APTECE não tem são os recursos que têm o país ou determinadas entidades. [Os nossos] são recursos limitados que não nos permitem uma estratégia a longo prazo.

E tem havido esse foco pelo Governo?

Com o Governo anterior e o antigo presidente do Turismo de Portugal já havia um envolvimento de alguns anos. Quando muda um governo, temos de reiniciar tudo. Não estou a dizer que este Governo não tem sensibilidade para as questões da gastronomia. Estamos a ‘namorar’.

Têm de ser os privados a assegurar essa promoção?

Sempre achei isso. Não podemos achar que tem de ser o Estado a fazer tudo. Os privados têm de zelar pelos seus interesses. Mas há uma lacuna: o orgulho em nós próprios. Somos um país que tipicamente tem a tendência de desvalorizar o que é seu.

E o que cabe ao Governo?

O Governo pode patrocinar ou apadrinhar uma estratégia e deixar que esta fique desenhada, para que os que venham a seguir a respeitem.

As estrelas Michelin que o país conquistou têm ajudado?

Valoriza Portugal a nível internacional. Contudo, o guia Michelin continua concentrado numa determinada facção da gastronomia e não se preocupa com a gastronomia local dos países. Se o guia tivesse de ir aos restaurantes tradicionais não teríamos vinte, mas centenas de estrelas. Mas já há  "chefs" distinguidos que começam a ter algum cuidado e a fazer recurso dos produtos locais.

Este é um nicho de mercado.

É um público com determinada capacidade financeira e interesse gastronómico, representando cerca de 3% do potencial do turismo gastronómico. Temos 97% de mercado para explorar, que tem a ver com os restaurantes de bairro e produtores.

E as empresas estão preparadas para promover esse turismo gastronómico?

A maior parte não está. O tema é tão recente em Portugal que as empresas não conseguem perceber a vantagem enquanto não experimentarem. Há já empresas que perceberam que, além da meia dúzia de queijos ou enchidos que produzem, podem ter um potencial interessante a nível turístico. Exemplo disso é a apanha da azeitona: hoje há quem pague para apanhar azeitonas.

Gastronomia pesa 30% do turismo

O presidente da APTECE, José Borralho, explica ao Negócios que não existem dados concretos para medir o peso da gastronomia no turismo nacional. A estimativa é de que rondará os 30%. Em Janeiro, a associação apresentará um estudo sobre a relação entre estas duas componentes. "Há muitas formas de usufruir deste turismo gastronómico, não só através de restaurantes mas também com experiências", justifica. Entre estas experiências contam-se a participação nas vindimas, na recolha de azeitona ou a visita a fábricas de produtos tradicionais como o Queijo de Castelo Branco. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Ter inglês fluente abre muitas portas de oportunidades profissionais e de lazer! Hoje esse nível de inglês pode ser alcançado muito rapidamente como nesse treinamento gratuito no youtube (https://youtu.be/0KyNBmEup9k). Fantástico!

pertinaz Há 3 semanas

POUPEM-ME

pub