Turismo & Lazer Turismo perto de subida de 10% em 2016

Turismo perto de subida de 10% em 2016

Foram 19,1 milhões de hóspedes e 53,5 milhões de dormidas ao longo do ano. Os estabelecimentos hoteleiros nacionais conseguiram proveitos de 2.900 milhões de euros, mais 17%. As dinâmicas mantêm-se na forma como a procura se organiza.
Turismo perto de subida de 10% em 2016
Wilson Ledo 15 de fevereiro de 2017 às 11:56

O turismo português fechou 2016 com um crescimento a roçar os 10%, como mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística revelados esta quarta-feira, 15 de Fevereiro.

Os estabelecimentos hoteleiros nacionais receberam 19,1 milhões de hóspedes, uma subida de 9,8%. Também as dormidas aumentaram 9,6%, para os 53,5 milhões.


O maior contributo vem dos mercados externos, que representaram 38,3 milhões de dormidas, numa subida de 11,4% face ao ano anterior. Assim, os estrangeiros representam sete em cada 10 dormidas. Já o mercado interno, a pesar 15,2 milhões de dormidas, cresce acima dos 5%.


A estada média voltou a contrair-se, para as 2,81 noites, embora a um ritmo inferior a anos anteriores.


A ocupação dos estabelecimentos hoteleiros esteve praticamente pela metade ao longo de 2016, com o indicador a fixar-se nos 48,6%.


O sector viu também os seus proveitos aumentar 17% acima de 2015, para os 2.900 milhões de euros. Deste modo, fica reforçada a ideia de que o crescimento do sector tem estado mais assente no preço praticado do que na ocupação.


Cada quarto representou um retorno de 42,6 euros, em média, para os estabelecimentos hoteleiros.


O Reino Unido mantém-se como a principal nacionalidade na procura, com um peso de 23,9% e um crescimento face a 2015 próximo dos 10%. Também Alemanha e Espanha se aproximam deste ritmo. Destaque para o mercado francês a crescer 18%. Já Estados Unidos e Polónia crescem acima dos 20%.

As dormidas aumentaram em todas as regiões. Açores (21%), Norte (13%) e Alentejo (11%) são as áreas onde a subida foi mais notória. Contudo, continua a pertencer ao Algarve (18 milhões), a Lisboa (13 milhões) e à Madeira (7 milhões) o pódio neste indicador.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bento20 Há 1 semana

É evidente que a sorte do governo está aqui, ainda que haja necessidade de maior importação e daí não ser possível equilibrar o défice. O nosso aumento no turismo deve-se ao facto das turbulências no norte de África e na Arábia.

pub
pub
pub
pub