Aviação Turismo quer novo aeroporto mesmo com Montijo

Turismo quer novo aeroporto mesmo com Montijo

Francisco Calheiros considera o Montijo como a solução adequada nesta fase mas opta por pensar a longo prazo. Um novo aeroporto é uma necessidade, sobretudo quando falta espaço e as filas de espera crescem na Portela, diz.
Turismo quer novo aeroporto mesmo com Montijo
Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo 18 de julho de 2017 às 18:29

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) vai defender a construção de um novo aeroporto mesmo depois do terminal do Montijo entrar em funcionamento em 2021.


"No dia em que o Montijo estiver a funcionar, no dia seguinte vou estar a falar do novo aeroporto", prometeu o presidente da CTP, Francisco Calheiros, numa conferência a ter lugar esta terça-feira, 18 de Julho, na Assembleia da República.


Numa altura em que se discute ainda a instalação de um terminal complementar do Aeroporto Humberto Delgado na margem sul do Tejo, Calheiros lembra que esta é uma "questão de interesse nacional". "É melhor decidirmos rapidamente, afunilarmos na solução Montijo", acrescentou.


Até porque a capacidade da Portela, acima dos 90% e das recomendações da IATA - Associação Internacional de Transportes Aéreos, demonstra já essa urgência. "Por mais alterações que consigamos fazer na Portela, vamos recusar muitos ‘slots’ [espaços] disponíveis em 2019 ou 2020", disse. E, com isso, turistas.


"Perdoem-me a imodéstia: fez-se quase tudo bem ao nível do empresariado do turismo em Portugal. Está tudo preparado para termos mais uns milhões de turistas. Mas isso não vai acontecer porque não temos capacidade de aeroporto", lamentou o presidente da CTP.


No seu discurso, Francisco Calheiros não deixou de apontar as limitações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no controlo de passaportes na Portela - "situação que está a piorar, que não tem uma semana, nem um mês, nem um ano" e com impacto nas longas filas de espera.


O responsável alertou que o cenário poderá piorar ainda mais com o início da primeira ligação aérea entre Portugal e a China, que arranca a 26 de Julho, e com a estratégia da TAP para os Estados Unidos da América ou Canadá.


Foi aliás a este último país, onde a TAP arrancou com uma nova rota para Toronto, que Calheiros recorreu para dar o exemplo do que se passa no aeroporto de Lisboa: a TAP convidou mais de duas dezenas de turistas canadianos para conhecer Portugal e falar da sua oferta turística. Nos artigos, as "filas de duas horas de espera" no aeroporto ganharam destaque.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SE A INVEJA E A DIREITA TIVESSEM VERGONHA.... Há 2 dias

Se a Direita,as elites (?) bacoco/pretenciosas q lhe dao gas fossem mais espertas,pragmaticas ha muito q Portugal teria um aeroporto com a dimensao necessaria,fosse ele onde fosse,q estaria a funcionar e a contribuir pro desenvolvimento e riqueza do pais.
Em vez disso temos uma direitralha manhosa.

invicta Há 2 dias

Querem novo aeroporto, como no tempo do socrático queriam mais pontes e aeroporto. Nunca são fartos e alguém há-de pagar. Nunca viram ou fazem por não ver um aeroporto movimentado, que não é o de Lisboa, embora em algumas horas do dia e dias, haja mais movimento.

pub
pub
pub
pub