Aviação Turismo satisfeito com Montijo. Já só falta aterrar

Turismo satisfeito com Montijo. Já só falta aterrar

As associações que representam o sector do turismo em Portugal mostram-se favoráveis à pista complementar no Montijo. Pede-se urgência, depois de tantos anos, para passar das intenções às acções. “Não ouvimos ainda a versão das Berlengas”, brinca Francisco Calheiros.
Turismo satisfeito com Montijo. Já só falta aterrar
Bruno Simão/Negócios

O sector do turismo mostra-se satisfeito com a escolha do Montijo para a instalação de uma pista complementar do aeroporto de Lisboa. É um misto de "entusiasmo e sentido de dever cumprido", classifica o presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros.

Na cerimónia do memorando entre o Governo e a ANA Aeroportos para estudo da opção Montijo, o líder da CTP lamenta que existam ainda vozes a apontar outras localizações para a expansão aeroportuária em Lisboa. "Não ouvimos ainda a versão das Berlengas. É preciso dar mais sentido ao racional do que ao emocional", brincou.


Francisco Calheiros lembrou que 19 milhões de turistas chegam por via aérea, 10 milhões dos quais através do aeroporto de Lisboa. Daí que a expansão dessa infra-estrutura represente uma oportunidade para o sector.


Isso mesmo admitiu a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho. "A nossa competitividade aérea é essencial para o destino Portugal", afirmou ao Negócios.


Também antes do memorando estar assinado, os hoteleiros vieram demonstrar o seu apoio ao "novo aeroporto" no Montijo. Mas "com urgência", evitando "retrocessos e demoras", avisou o presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

"Apesar de estarmos no bom caminho, não podemos de deixar estar preocupados com o tempo que decorre entre a tomada de decisão, a execução e a operacionalização da extensão do aeroporto", rematou Raul Martins.


A AHP diz não saber de intenções de investimentos para projectos hoteleiros no Montijo mas admite que "é natural" que tal venha a acontecer assim que o Portela+1 estiver em funcionamento. O alerta é de que a região de Lisboa ainda tem "folga" na sua capacidade hoteleira. O aeroporto é que não.


"Se não se tomasse uma decisão estávamos num beco sem saída", remata José Manuel Esteves, secretário-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).


Para o responsável, "o produto turístico sai excepcionalmente beneficiado" com a opção do Montijo, que diz não pecar por tardia. E acrescenta: "É oportuna e responsável. É importante decidir rapidamente".

Porque todos querem ver turistas a aterrar na margem sul do Tejo.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Obrigado ti Jerónimo pode ser que te paguem com pi 15.02.2017

Pois eu dou os meus parabéns ao Jerónimo de Sousa por ter dado de bandeja o poder ao Costa e este tudo fazer pelas suas câmaras. A estratégia de recuperação das câmaras da margem sul será uma realidade nas próximas eleições. Até com candidatos maus o PS ganhará bastiões do PCP!

Anónimo 15.02.2017

Dou os meus parabéns à Associação Comercial do Porto, à Academia do Porto, bem como a Rui Moreira, por terem conseguido parar a construção na Ota, ao proclamarem bem alto a solução Portela +1 (Montijo). Portugal e Lisboa saíram vencedores!

Anónimo 15.02.2017

jamais

pub
pub
pub
pub