Tecnologias Twitter vai fechar serviço de partilha de vídeos

Twitter vai fechar serviço de partilha de vídeos

O Vine, adquirido pelo Twitter em 2012, vai fechar. O anúncio foi feito quinta-feira, no mesmo dia em que o Twitter anunciou um novo corte na força de trabalho: vão ser mais 300 postos de trabalho suprimidos.
Twitter vai fechar serviço de partilha de vídeos
Bloomberg
Negócios 28 de Outubro de 2016 às 13:50

O Twitter vai fechar o serviço de partilha de vídeos Vine nos "próximos meses", anunciou a empresa esta quinta-feira, 27 de Outubro. O Vine foi lançado em 2013, no ano a seguir à compra por parte do Twitter de um serviço que ainda não tinha sido lançado.

"Desde 2013, milhões de pessoas recorreram ao Vine, mas hoje partilhamos a notícia de que nos próximos meses vamos descontinuar a aplicação móvel", escreveu o Twitter.

Mas com a notícia chegou a informação de que "não vai acontecer nada às aplicações, site ou aos vossos Vines hoje. Continuam a ser capazes de aceder e a descarregar os vossos 'vines'. Vamos manter o site online porque pensamos ser importante manter a possibilidade de se visualizar todos os incríveis vídeos que foram feitos. Vão ser notificados antes de fazermos qualquer mudança na aplicação ou no site".


As reacções no Twitter já se fizeram sentir, inclusive de um dos co-fundadores do Vine. Rus Yusupov, que segundo o Business Insider foi despedido da empresa em 2015. Num tweet, Rus Yusupov escreveu apenas: "não vendam a vossa empresa".



Segundo a mesma publicação, o Vine tem lutado para manter os criadores de topo. Em Julho, mais de metade das contas topo do Vine ou apagaram os seus perfis ou deixaram de publicar na plataforma desde o início de 2016. 

Também esta semana o Twitter anunciou o corte de mais 300 postos de trabalho, ou 9% da força laboral.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub