Tecnologias Uber enfrenta processo de 45 milhões em França por alegadamente ter precipitado divórcio

Uber enfrenta processo de 45 milhões em França por alegadamente ter precipitado divórcio

Depois de ter usado o iPhone da mulher para pedir um Uber, esta terá alegadamente passado a ter acesso a todos os dados sobre as deslocações do marido, precipitando o divórcio. O homem pede agora uma indemnização.
Uber enfrenta processo de 45 milhões em França por alegadamente ter precipitado divórcio
Kai Pfaffenbach/Reuters
Negócios 08 de fevereiro de 2017 às 13:35

Um empresário francês está a pedir uma indemnização de 45 milhões de euros à Uber, a empresa que gere a aplicação com o mesmo nome para a reserva electrónica de transporte, alegadamente porque o uso daquele serviço conduziu ao seu divórcio.

De acordo com o jornal francês Le Figaro, o empresário residente na Côte d'Azur reclama que a sua separação foi precipitada por uma falha informática na aplicação, que permitiu à sua mulher seguir à distância as suas deslocações, suscitando suspeitas de infidelidade.

O queixoso pediu emprestado o iPhone à mulher para fazer uma reserva através da sua conta. A partir daí o dispositivo electrónico, mesmo com a conta Uber desligada, passou a receber todas as informações relacionadas com as deslocações do homem.

Esta "falha" permitirá saber, à distância, quando um utilizador recorre aos serviços da Uber e obter informação em tempo real sobre o início do serviço sem necessitar de ter uma palavra passe. Dados como a geolocalização não são fornecidos. 

O Figaro refere que o "bug" ocorre em iPhones com versões iOS (sistema operativo) com actualizações anteriores a 15 de Dezembro, enquanto a versão Android não apresenta o problema.
 
A primeira audiência judicial está prevista para o mês de Março. A Uber não quis pronunciar-se sobre a alegada falha técnica e recusou falar de "casos particulares".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 08.02.2017

NOS EUA A PROBABILIDADE DE SUCESSO DA ACÇÃO SERIA MUITO ELEVADA...

Mr.Tuga 08.02.2017

RIDICULO E ANEDOTICO!

O canalha encorna a mulher e depois pede indemnização?!?!!?!?

O descaramento e falta de vergonha, ética e principios não tem limites!
Gostava de ver o gajo ganhar a acção e depois a ex mover-lhe um processo para ficar com a guita da indemnização!!!!

Anónimo 08.02.2017

Se tivesse optado por um táxi não tinha a mulher sobre controlo .

pub
pub
pub
pub