Banca & Finanças Ulrich: Interesse de investidores estrangeiros na banca portuguesa é positivo

Ulrich: Interesse de investidores estrangeiros na banca portuguesa é positivo

O presidente do BPI considera positivo para o sector bancário o interesse que investidores estrangeiros têm demonstrado nalguns bancos, como o BPI e o BCP, afastando o cenário de fusão entre as duas entidades, que já foi várias vezes equacionado.
Ulrich: Interesse de investidores estrangeiros na banca portuguesa é positivo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 03 de Outubro de 2016 às 21:27

"[A fusão do BPI com o BCP] não está neste momento em cima da mesa. Nós temos a nossa agenda, os nossos accionistas têm a sua agenda, e o BCP tem a sua vida e o seu caminho próprio", afirmou aos jornalistas o gestor, à margem de um evento em Lisboa.

 

"Isso foi uma ideia que surgiu já lá vão quase dois anos e não tem nada a ver com a entrada do accionista A ou B", realçou.

 

Questionado sobre o interesse de investidores estrangeiros nos bancos portugueses, com o catalão CaixaBank a querer reforçar a sua posição no BPI e os chineses da Fosun a negociarem a entrada no capital do BCP, Ulrich destacou que os alvos são bancos específicos.

 

"Alguns bancos portugueses, não sei se todos [são alvo de interesse internacional]. Porque a situação dos vários bancos portugueses é muito diferente. Mas é verdade que sim. Alguns bancos portugueses suscitam o interesse dos investidores estrangeiros, como é o caso do BPI e do BCP. Esses seguramente que sim", frisou, admitindo que este apetite é positivo para o conjunto do sistema financeiro português.

 

Já sobre a situação do Banco de Fomento Angola (BFA), Ulrich escusou-se a revelar se a operadora angolana Unitel aceitou a proposta feita pela equipa de gestão do BPI, que lhe daria o controlo sobre o banco e resolveria a situação da exposição aos grandes riscos estipulada pelo Banco Central Europeu (BCE).

 

"Sobre a Unitel e sobre esse tema não vou responder, porque é informação relevante e é uma situação em que, havendo informação, ela tem que ser comunicada ao mercado. E, por isso, eu não vou fazer um comentário 'ad hoc' sobre isso", atirou Ulrich.

 

A 21 de Setembro, a administração do BPI fez uma nova proposta aos parceiros angolanos, que passa pela venda de 2% do capital do Banco de Fomento Angola (BFA) à operadora Unitel por 28 milhões de euros, permitindo que a operadora angolana passe a ser a maior accionista.

 

Actualmente, o BPI detém 50,1% do capital do BFA, enquanto a Unitel é dona de 49,9%, e o objectivo desta operação é resolver a situação de ultrapassagem do limite dos grandes riscos impostos pelo BCE relativamente à exposição do banco português a Angola.

 

Esta proposta feita à operadora Unitel, de Isabel dos Santos, estava condicionada à desblindagem dos estatutos do banco português, que se veio a verificar na última reunião magna de accionistas do BPI, que decorreu a 21 de Setembro último.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 03.10.2016

Portugal esta a parecer Macau,Macau zona de casinos,portugal zona de bancos.O fudilhao imbutido mario draghi ja veio dizer que a Europa(portugal)tem bancos de mais,e esta preste a vir mais um desta vez de Franca,e uma farturinha.

pub
pub
pub
pub