Banca & Finanças Ulrich: "Saudades não vou ter nenhumas porque continuo cá"

Ulrich: "Saudades não vou ter nenhumas porque continuo cá"

O ainda presidente executivo do BPI assegura que a sua passagem a "chairman" foi "consensual" com o CaixaBank. Fernando Ulrich concorda com o facto de o novo líder do banco vir do grupo catalão.
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar
Miguel Baltazar - Fotografia
Diogo Cavaleiro 08 de fevereiro de 2017 às 18:53

Fernando Ulrich defende que a sua saída da presidência executiva do BPI, e passagem a presidente do conselho de administração, "foi completamente consensual e acordado com o Gonzalo Gortázar", o líder do CaixaBank. E não vai ter saudades.

 

"Acredito fortemente que é a melhor solução para o banco e para os clientes do banco", disse Ulrich na conferência de imprensa após a apresentação de resultados da oferta pública de aquisição (OPA), operação em que o CaixaBank passou a ter 84,5% do BPI.


"O BPI, a partir de hoje, faz parte do grupo CaixaBank. Isso é claro. Até agora, o CaixaBank era o maior accionista. A partir de hoje, o CaixaBank controla o BPI. Não há nenhuma dúvida sobre isto e eu entendo que isto é uma boa notícia para o BPI e para os clientes", indicou Fernando Ulrich.

 

Segundo o gestor, que passará a ser "chairman" na assembleia-geral de 26 de Abril, dia em que completa 65 anos, "a entrada em funcionamento desta nova fase, que é diferente da anterior – e não haja qualquer dúvida sobre isso –, deve ser protagonizada na liderança executiva por alguém originário do CaixaBank, independentemente da nacionalidade, que conheça o grupo CaixaBank e que possa liderar".

 

O espanhol Pablo Forero será o presidente da comissão executiva do BPI, cargo até aqui ocupado por Fernando Ulrich.

 

"Não podia ser o protagonista da transposição, para o BPI, de tudo o que de bom o CaixaBank tem para dar", disse Ulrich, que também avançou o facto de estar perto de completar 65 anos para sair daquela função.

 

Na presidência da administração, Ulrich mostra-se disponível para fazer o que "a lei, os estatutos e as entidades de supervisão pretendem que seja executado pelo presidente da administração", e também aquilo que o CaixaBank pretender do seu cargo. "O que farei resultará dos desafios e das orientações que me dêem".

 

"Saudades não vou ter nenhumas porque continuo cá", concluiu. 

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.02.2017

È pena,muita pena mesmo, não te terem dito.... vaia con dios

Anónimo 09.02.2017

Um grande senhor, que sempre se distingiui dos seus pares pela seriedade e competência.
Infelizmente nem todos os bancos tiveram a sorte de ter ao seu serviço pessoas tão íntegras.

Outros tempos....... 08.02.2017

Quem nunca terao saudades de ti sao os Portugueses!......espanholito..pena e nao teres saido pla....janela.

zé da tripa 08.02.2017

Passaste a ser um quadro de parede ?

Por quanto tempo ?

Não te aguentas muito tempo.

O LaCaixa tira-te o tapete muito rapidamente.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub