Imobiliário Uma casa de 50 mil euros na Baixa de Lisboa? "Nem uma garagem"

Uma casa de 50 mil euros na Baixa de Lisboa? "Nem uma garagem"

O SIL – Salão Imobiliário de Portugal terminou este domingo, 22 de Outubro. Entre as agências presentes, a oferta em Lisboa esteve em destaque. São preços que começam a fugir àquilo que as famílias portuguesas podem, em média, pagar.
Uma casa de 50 mil euros na Baixa de Lisboa? "Nem uma garagem"
Bruno Simão/Negócios
Wilson Ledo 22 de outubro de 2017 às 22:00
Há casas para todos os gostos, mas não para todas as carteiras. Neste SIL – Salão Imobiliário de Portugal, é em Lisboa que estão centradas as atenções. Os "stands" gritam Baixa ou Avenida Novas. E os preços surpreendem.

É de mão esticada, para um aperto formal, que Cláudia Viegas nos recebe. O que tem aqui para oferecer? "Apartamentos novos a estrear" em Lisboa, responde. A decoração do espaço da agência Castelhana revela alguns valores, mas a agente imobiliária tem mais para revelar no catálogo.

Um apartamento T1 na Rua Augusta por 630 mil euros. Noutra área que está a ficar "trendy", o Intendente, há também um T1 a 440 mil euros. Somos avisados de que já há poucos e de que algumas compras são ainda em planta. A espera pode levar dois anos. Brincamos e dizemos ficar fora do nosso orçamento. "O centro de Lisboa está complemente inflacionado", lá admite Cláudia Viegas.

Tanto que, na zona da Baixa, 50 mil euros não dá para comprar nada. Quem o garante é Manuel Crispim, director do grupo Remax Vantagem. Ao contrário de outros pontos de Portugal, não há casas na Baixa [de Lisboa] a custar 50 mil. "Nem um lugar de garagem", compara este director. Os lisboetas ainda não desistiram de comprar no centro, mas "são poucos os que conseguem lá chegar". Tudo culpa da oferta que, apesar dos esforços de reabilitação, continua a ser inferior à procura. "Lisboa tem muito por onde reabilitar", recorda.

"Diria que o crescimento no centro de Lisboa, neste momento, em termos de valores se deve muito à procura massiva de estrangeiros", explica ainda. E dá-nos o mote para a próxima paragem neste percurso pelo pavilhão da Feira Internacional de Lisboa (FIL).

É no "stand" da Engel & Völkers, marca especializada no imobiliário de luxo, que fazemos a pergunta: há aqui alguma coisa para Madonna? É que esta nova habitante de Lisboa tem tido algumas dificuldades na procura de casa.

Henrique Ribeiro prefere não avançar com sugestões, alegando que o segredo é a alma do negócio. No portefólio à mostra no SIL –  onde os brasileiros têm sido uma presença em destaque entre os compradores estrangeiros – contam-se palácios em diferentes zonas de Lisboa: um no Lumiar por 7,5 milhões ou outro na Lapa por 3,7 milhões.

"O que Madonna procura ninguém sabe", diz o consultor imobiliário. Talvez algo espaçoso, com vista e discrição. E, quiçá, com uma certa margem de manobra para que o filho possa ir treinar na margem sul. É desse lado do Tejo que se encontra outra das propostas para quem procura comprar casa – e não é preciso sair da FIL para ver do crédito à habitação, com vários bancos representados.

A Quinta do Pinhão fica a cinco minutos da Fonte da Telha, num empreendimento que conta com piscina, escola e supermercado. Há 25 apartamentos para venda, com preços entre os 200 mil e os 450 mil euros. Já nas moradias, a fasquia sobe para um intervalo entre os 300 mil e os 1,5 milhões de euros, conta a representante Susana Mendo, mostrando a maquete do projecto. Nos apartamentos, os preços estão mais próximos do que a agência ERA diz ser o foco da procura nacional: entre os 100 mil e os 500 mil euros.

Neste SIL, quase tudo conta para ganhar destaque. Os "stands" são grandes, os colaboradores espalham-se estrategicamente para apanhar quem passa, com o melhor sorriso posto. As estratégias de negócio também têm aqui espaço: é o caso da Vitrine Media, onde se encontra iluminação LED à volta dos cartazes. É esse sistema que se pretende levar para as montras das agências imobiliárias, para "tirar o típico papel com fita-cola", conta Paula Rego. À noite, é como um aviso: aqui pode estar a sua próxima casa.

Porque o que importa é vender. No ano passado, em que a mostra contou com 300 empresas e 55 mil visitantes, fecharam-se negócios na ordem dos 100 milhões de euros. Um valor que peca por modesto. Por aqui, todos concordam que se trocam mais cartões e se procura ganhar espaço na mente de quem quer ajuda para cumprir o sonho de comprar casa.

Navegue no mapa para ver quanto valem as casas em cada freguesia



Tome nota

Lisboa lidera em número de casas vendidas 

Os balanços e perspectivas para 2017 mostram-se animadores para o sector imobiliário. Há mais famílias a comprar casa, apoiadas por um crédito à habitação facilitado. Lisboa é a preferida.

Casas vendidas

No primeiro semestre de 2017, venderam-se cerca de 72 mil casas, para habitação de famílias em Portugal.

Valor do negócio
O negócio de compra e venda de casas atingiu um volume de 8,9 mil milhões de euros no primeiro semestre.

Lisboa
Das casas vendidas em Portugal até Junho, 35% estavam localizadas nos 18 concelhos da Área Metropolitana de Lisboa.

2017
Uma das expectativas da APEMIP, que representa as agências de mediação imobiliária, é de fechar este ano com 140 mil transacções de alojamentos familiares no país.






pub