Transportes Uma lei, três posições. O que separa taxistas, Uber e Governo?

Uma lei, três posições. O que separa taxistas, Uber e Governo?

O anúncio das novas regras para plataformas de transporte em automóvel como a Uber ou a Cabify foi feito a 26 de Setembro. Pouco mudou no discurso sobre o assunto desde então. Só os taxistas subiram o tom e as exigências. O período para consulta pública da nova lei já terminou.
Uma lei, três posições. O que separa taxistas, Uber e Governo?
Wilson Ledo 09 de Outubro de 2016 às 13:00

Governo prevê dístico e formação

Mais de uma mão cheia de medidas para enquadrar os carros ao serviço de plataformas como a Uber ou Cabify. Viaturas com menos de sete anos, identificação com dístico, seguro semelhante ao dos táxis, 30 horas de formação, por exemplo. Para os taxistas mantêm-se os benefícios fiscais e a possibilidade de circularem na faixa bus [autocarro em português, dedicada aos transportes públicos]. "A partir desta legislação os operadores poderão fazer as suas escolhas. Com o ‘boom’ do turismo não ouço falar de nenhum problema de negócio", considerou na altura o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.

Taxistas insistem que as regras são desiguais

Os taxistas queriam regras iguais para todos. Daí que quando o Governo anunciou as novas medidas para enquadrar a Uber e a Cabify, as críticas se tenham feito logo sentir. A origem e o contingente de carros ao serviço das aplicações, mesmo com João Matos Fernandes a explicar que a iniciativa privada não pode ser limitada, foram alguns das dúvidas lançadas. A formação é outro exemplo: se os taxistas têm de cumprir 125 horas, os motoristas das aplicações só 30. O Governo já se mostrou disponível para alterar este aspecto, o que implicaria uma mexida na lei do táxi que não recebeu modificações com o novo enquadramento para as plataformas de transporte.

Novas exigências e soluções pendentes

À medida que os dias vão passando, os taxistas vão adicionando novos elementos à discussão. Há agora novas propostas em cima da mesa, já entregues ao Ministério da Economia, para avaliação. O sector do táxi quer aumentar a bandeirada de 3,25 para seis euros no Natal e Ano Novo. Além disso, e para incentivar o trabalho quando há mais procura, os taxistas querem aumentar em 20% a tarifa no Verão. As propostas chegam depois de o Executivo ter recusado a descaracterização de mil táxis em Lisboa, com o objectivo de redireccioná-los para a Uber e Cabify. O sector continua a insistir nesta medida como solução para o excesso de oferta de táxis existente na capital.

Um aplauso com contenção

Satisfeitas com as medidas que conheceram através da comunicação social. As plataformas Uber e Cabify optaram, ao longo deste processo, pela contenção nos comentários, evitando alimentar guerras. Após terem conhecido as propostas do Governo, não foi excepção. A sua expectativa era a de serem ouvidas durante o período de consulta pública embora o Executivo já tivesse anunciado que não haveria encontros formais nesse sentido, já que se tratavam de empresas e não de associações representativas. As plataformas lembraram, na altura, que muitas das propostas apresentadas pelo Governo já eram praticadas internamente pelas suas plataformas.




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado pacardost 09.10.2016

Taxi, Uber e Cabify devem ter regalias e obrigações iguais em todas as áreas.

comentários mais recentes
12000 e um Há 4 semanas

MOTIVO DA MANIFESTAÇÃO DOS TAXISTAS: - Os taxis apenas pedem duas coisas muito simples. Que se faça cumprir a lei e Direitos e Deveres, iguais, para todos os operadores de transportes ligeiros de passageiros(taxis, uber, cabify, etc). É o que se pretende! 10 de Outubro de 2016. "TODOS A LISBOA!"

Taxistas profissão sem prestigio por culpa própria Há 4 semanas

Os taxistas quanto mais se manifestam mais se enterram, querem o monopólio para fazer as vigarices q lhe apetecem. Os taxistas a maioria são selvagens, cospem pela janela, enganam nos trajectos e se for a um estrangeiro é o ver se te avias! Prefiro a Uber os condutores são educados e limpos!

Abaixo os taxistas, viva a Uber! Há 4 semanas

Os taxistas andam mais sujos q PAU DE GALINHEIRO! Viaturas a apodrecer, Mercedes antigos e fumarentos, taxistas a cheiram mal, têm conversas a cheirar a chico-espertice! Fanfarrões, outros são assaltantes! Levar 20 euros do aeroporto de Lx para Expo!? É demais! E ainda querem monopólio!? Pulhas!

Ora. os taxistas querem monopólio, vão pró caralho Há 4 semanas

Greves e manifestações mas que disparate! Os taxistas querem a toda a força monopolizar os transportes! Modernizem-se e deixem de ser labregos e sacanas como muitos são!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub