Banca & Finanças União Europeia perde 13 bancos no primeiro trimestre

União Europeia perde 13 bancos no primeiro trimestre

No espaço de três meses o número de bancos a operar na União Europeia diminuiu em 13, segundo os dados do BCE.
União Europeia perde 13 bancos no primeiro trimestre
Lusa 16 de agosto de 2017 às 18:18
O número de bancos com sede na União Europeia (UE) recuou ligeiramente em Março para 3.154 instituições, menos 13 do que no final de 2016, indicou esta quarta-feira, 16 de Agosto, o Banco Central Europeu (BCE).

De acordo com os critérios de Frankfurt, no final do primeiro trimestre existiam 34 grandes bancos (35 em Dezembro de 2016), 602 bancos médios (596 no final do ano passado) e 2.518 pequenos bancos (2.536 em Dezembro último).

Em termos de activos, o montante total das entidades em causa ascende a quase 34 biliões de euros (33,982 biliões de euros), mais 1,7% do que no final de 2016.

O BCE publicou hoje os dados trimestrais consolidados do sector bancário europeu.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

O Jornal de Negócios, enquanto órgão de informação económica com notabilidade a nível nacional, que insista na pedagogia e no esclarecimento cabal em relação ás inevitáveis transformações urgentes que se impõem nas economias mais avançadas, às quais a portuguesa, por mais capturada e mal orientada que se afigure, não estará imune se quiser permanecer no chamado Primeiro Mundo. Na Holanda as organizações não dão guarida ao excedentarismo sindicalizado de carreira que atrasa o mais económico e eficiente progresso tecnológico, obstaculiza a justiça social, impede a sustentabilidade do Estado e enfraquece a economia por via do entorpecimento do empreendedorismo, do investimento reprodutivo e da capacidade de inovação. "Fewer people and more technology – that is the plan just announced by ING. The largest financial services company in the Netherlands is getting rid of 7,000 positions." http://www.euronews.com/2016/10/03/netherlands-bank-ing-to-cut-7000-jobs-in-digital-quest

pub