Banca & Finanças Único concorrente do Multibanco já tem 300 caixas em Portugal

Único concorrente do Multibanco já tem 300 caixas em Portugal

A Euronet Worldwide tem caixas automáticas principalmente destinadas a estrangeiros e prevê continuar a crescer no país, avança o Público.
Único concorrente do Multibanco já tem 300 caixas em Portugal
Negócios 02 de janeiro de 2017 às 09:37

A Euronet Worldwide entrou no mercado português em Maio de 2015. E em menos de dois anos, instalou 300 caixas automáticas no país.

Para os próximos anos, a empresa fundada na Hungria em 1994 prevê continuar a crescer em Portugal, disse o vice-presidente da empresa para a Europa, Nikos Fountas, avança o Público esta segunda-feira, 2 de Janeiro.

O responsável avançou também que a empresa está a contratar trabalhadores e fornecedores portugueses.

Estas caixas automáticas destinam-se essencialmente a turistas estrangeiros porque só permitem fazer três operações: levantar dinheiro, fazer transferências e disponibilizar um sistema de pré-pagamentos.

O crescimento da Euronet em Portugal acontece num momento em que o número de turistas no país tem vindo a bater recordes sucessivos.

Quem também está a disputar o negócio dos turistas estrangeiros é a Sibs, a entidade que gere a rede de caixas Multibanco. Por isso, lançou recentemente a rede ATM Express.

"Um estrangeiro que se dirija a um Multibanco tem uma série de operações de que não precisa. Simplificámos o serviço que ele quer mais, que é levantar dinheiro", disse ao Público a directora de comunicação da Sibs, Maria Antónia Saldanha.

Em Portugal, existiam 12.236 caixas multibanco no final de Setembro, menos 2% face a período homólogo.

A Euronet está cotada na bolsa de Nova Iorque e tem sede nos Estados Unidos, contando com mais de 29 mil caixas automáticas em 40 países.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub