Banca & Finanças Unicredit vende unidade polaca por mais de dois mil milhões de euros

Unicredit vende unidade polaca por mais de dois mil milhões de euros

O Unicredit chegou a acordo para a venda da maior parte da participação que detém no banco polaco Pekao, numa operação que está incluída no plano de recapitalização.
Unicredit vende unidade polaca por mais de dois mil milhões de euros
Bloomberg
Sara Antunes 08 de Dezembro de 2016 às 09:23

O banco italiano Unicredit vendeu 32,8% do Bank Pekao por 10,6 mil milhões de zlotys (2,4 mil milhões de euros) à seguradora PZU e ao fundo de desenvolvimento polaco, revelaram as empresas polacas em comunicado esta quinta-feira, 8 de Dezembro, citadas pela Bloomberg.

 

O preço de venda corresponde a 123 zlotys por acção, o que corresponde a um prémio de 6% face ao valor de fecho das acções do Pekao na última sexta-feira. No domingo já tinha sido noticiado que o Unicredit estava a preparar a venda da unidade polaca.

 

Esta operação está em linha com o plano de recapitalização e de reforço dos rácios de capital. Esta alienação vai levar a que o rácio de solvabilidade CET1 do Unicredit aumente em 55 pontos base, revelou o banco italiano, citado pela Bloomberg.

 

O Unicredit ainda fica com 7,3% no Pekao, uma participação cuja venda também está nos planos, mas será realizada no mercado.

 

As entidades polacas que compraram os 32,8% no Pekao também vão comprar ao Unicredit participações em três empresas de gestão de activos pelo valor de 142 milhões de euros.

 

O presidente executivo do banco, Jean-Pierre Mustier, elaborou um plano de recapitalização do Unicredit que deverá ser apresentado no dia 13 de Dezembro, de acordo com uma notícia publicada pelo Financial Times no domingo, 4 de Dezembro.

 

Além da venda do Pekao, o Unicredit estará a negociar a venda da gestora de activos Pioneer por cerca de três mil milhões de euros à francesa Amundi.

 

O FT adiantou no domingo que o plano de recapitalização deverá passar por um aumento de capital total no valor de 13 mil milhões de euros e a venda de activos.

 

O Unicredit tenciona ainda fazer uma divisão do portefólio de crédito malparado, avaliado em 50 mil milhões de euros, e vender uma parcela a um ou a vários investidores. O mesmo jornal diz que a Fortress, a Cerberus e a Pimco estão entre os potenciais compradores, adiantaram fontes ligadas às negociações.

 

As acções caem 0,56% para 2,472 euros.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Pena o BCP não fazer o mesmo. Não adianta pensar em obter lucros com operações estrangeiras, que apenas são rentáveis irregularmente. O BCP não tem capacidade de gerir bancos estrangeiros. Já o nacional, sabe deus! O melhor é vender as operações estrangeiras e tentar começar a dar lucro cá em Portugal, ou, de preferência, fazer-se opar por um banco estrangeiro...

pub
pub
pub
pub