Tecnologias Vai ser possível carregar o telemóvel apenas quatro vezes por ano

Vai ser possível carregar o telemóvel apenas quatro vezes por ano

A tecnologia está a ser apurada por investigadores das universidades norte-americanas de Cornell e do Michigan. O material em questão é um multiferróico magnoeléctrico e em 2030 já deverá estar disponível.
Vai ser possível carregar o telemóvel apenas quatro vezes por ano
Bloomberg
Carla Pedro 04 de julho de 2017 às 19:59

Dentro de alguns anos deverá ser possível carregar o telemóvel apenas uma vez por trimestre. Ou seja, quatro vezes por ano. E isto devido a um material que se chama multiferróico magnoeléctrico e que está a ser desenvolvido por investigadores das universidades norte-americanas de Cornell e do Michigan, avança a imprensa internacional.

 

Este novo material para processadores precisa de 100 vezes menos energia do que os sistemas baseados em semicondutores que são actualmente usados, sublinha o The Independent.

 

Este multiferróico magnoeléctrico – com propriedades eléctricas e magnéticas à temperatura ambiente – é composto por finas camadas de átomos que formam uma película magneticamente polar, capaz de transformar o positivo em negativo com muito pouca energia, explica o website TicBeat.

 

Este princípio poderá ser usado para transmitir o código binário, os fluxos de uns e zeros, com base nos quais os nossos computadores operam. O que significa que poderão vir a enviar e receber dados usando apenas uma fracção da electricidade.

Actualmente, os dispositivos electrónicos consumem 5% da energia global, mas estima-se que em 2030 poderão consumir entre 40% e 50%, refere o The Independent, citando Ramamoorthy Ramesh, vice-director de laboratório no departamento de tecnologias da energia no Lawrence Berkeley National Laboratory (EUA).

 

Além de ter em vista o elevado consumo energético dos smartphones no futuro, o desenvolvimento desta nova tecnologia também acabará com os constantes alertas de "bateria fraca".

 

Ou seja, o que está a ser criado é um novo material processador que permite que os telemóveis funcionem com muito menos energia. Os actuais processadores dos telefones móveis usam semicondutores que precisam de um fluxo constante de electricidade, mas este novo material irá alimentar o dispositivo através de curtos picos de energia – o que não irá destruir a sua bateria, resume o The Sun.

 

De acordo com os investigadores que trabalham neste projecto, a nova tecnologia está ainda, contudo, longe de ver o dia: estima-se que não deverá estar disponível antes de 2030.

 

Por enquanto, trabalha-se afincadamente no projecto, já descrito na revista Nature em Setembro do ano passado mas só agora publicitado.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Ta Certo Há 2 semanas

Em 2030 os telemoveis ja estarao ultrapassados existira sim um processador implantado no cerebro que bastara onde estara tudo o que necessitamos o tel a agenda as vacinas toda merrrda.

labareda Há 2 semanas

2030? Ui já estou morto

pub