Imobiliário Valor das casas atinge novo máximo de 2011

Valor das casas atinge novo máximo de 2011

Os bancos continuam a aumentar o valor das avaliações das habitações em Portugal. O preço por metro quadrado subiu 6 euros em Outubro.
Valor das casas atinge novo máximo de 2011
Nuno Carregueiro 28 de novembro de 2017 às 11:39

O valor médio da avaliação bancária das habitações em Portugal aumentou em Outubro para 1.141 euros por metro quadrado (euros/m2), o que representa um aumento de 6 euros, ou 0,5%, face ao mês anterior. Na comparação com Outubro do ano passado o crescimento foi de 5,6%, uma ligeira aceleração face ao registado em Setembro (5,5%) e ao rimo mais forte desde Março deste ano.

De acordo com os dados publicados esta manhã pelo INE, o preço por metro quadrado é o mais elevado desde Maio de 2011.

Mostram também que verificou-se uma subida mensal de 1% no valor médio das avaliações bancárias das moradias, enquanto nos apartamentos a variação mensal foi nula. O valor médio de avaliação bancária dos apartamentos situou-se em 1.192 euros por metro quadrado, enquanto nas moradias fixou-se em 1.062 euros por metro quadrado.

 

A nível regional, as maiores subidas mensais registaram-se na Região Autónoma da Madeira (1,7%) e no Algarve (1,5%), sendo que a única descida verificou-se na Região Autónoma dos Açores (-0,5%).

 

A região do Algarve reforçou o estatuto de região com as avaliações bancárias mais elevadas (1.450 euros por metro quadrado), seguindo-se a Área metropolitana de Lisboa (1.382 euros) e a Madeira (1.291 euros).

 

Os dados revelados pelo INE mostram que se mantém a tendência de crescimento da avaliação bancária, que reflecte o bom momento que vive o sector imobiliário em Portugal, com um crescimento acentuado nos preços e no volume de vendas.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Eh! Pá! Desta vez não se esqueçam do capacete, das cotoveleiras e das joelheiras!

Anónimo Há 2 semanas

Estes valores não estão corrigidos com o fator de correção monetária... Portanto, ainda estamos longe dos valores de 2011...

As banquetas fornicaram 24500 milhões de euros Há 2 semanas

As banquetas estão de novo a brincar às casinhas! Se isto estourar de novo cá estarão os lorpas dos contribuintes para enterrarem o dinheiro para salvarem as banquetas mal geridas e gananciosas!
Os banqueiros q levam os bancos à falência deviam ser fuzilados, pq os contribuintes não têm culpa.

pub