Banca & Finanças Venda de 41% da ex-Qimonda com impacto marginal no Novo Banco

Venda de 41% da ex-Qimonda com impacto marginal no Novo Banco

A Nanium foi alienada ao grupo americano Amkor. O Novo Banco não revela o encaixe nos resultados mas admite um impacto "neutro a positivo" no rácio. O BCP não faz comentários.
Venda de 41% da ex-Qimonda com impacto marginal no Novo Banco
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 25 de maio de 2017 às 18:20

A venda da participação que o Novo Banco herdou na antiga Qimonda, a Nanium, tem um impacto marginal na sua solidez, segundo antecipa a instituição financeira liderada por António Ramalho.

 

"Esta transacção terá um impacto neutro a positivo no rácio de capital Common Equity Tier I do Novo Banco", indica o comunicado emitido através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Essa era já a expectativa do banco para o rácio que mede o peso dos fundos de melhor qualidade quando, em Fevereiro, revelou o acordo de compra e venda da Nanium. O banco não indica, no entanto, o encaixe.

 

O Novo Banco tinha 41% da participação social da Nanium, uma posição idêntica à que estava nas mãos do BCP. Os restantes 18% pertenciam ao Estado através da AICEP. A Nanium, que opera no fornecimento para o ramo de semicondutores, é a antiga Qimonda, tendo esta participação accionista resultado da recuperação da empresa, a única que se salvou após a falência do grupo alemão. O comprador de todas estas posições na Nanium é o grupo americano Amkor. 

 

De acordo com o banco herdeiro do BES, "esta transacção representa mais um importante passo no processo de desinvestimento de activos não estratégicos do Novo Banco, prosseguindo este a sua estratégia de foco no negócio bancário doméstico".

Ao contrário do Novo Banco, o Banco Comercial Português - que também se desfez da sua participação - recusou-se a fazer comentários sobre esta operação quando contactado pelo Negócios. 

 

Ontem, o Novo Banco anunciou a venda de 75% do Novo Banco Ásia num acordo de 145,8 milhões de euros, tendo também fechado um acordo para a venda dos activos e passivos da sucursal venezuelana. Este ano, também a Ascendi foi já alienada.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A moda dos negócios secretos 25.05.2017

Agora é moda e ninguem reclama , nem o fisco ? vendem por um euro com depósito de 100 milhões em ofshore ?
Negócios secretos ? num banco público ?

pub
pub
pub
pub