Comércio Vendas da Burberry crescem graças à libra mais fraca

Vendas da Burberry crescem graças à libra mais fraca

A marca de luxo registou um aumento nas vendas de 40%, em parte devido aos compradores estrangeiros que estão a viajar para o Reino Unido.
Vendas da Burberry crescem graças à libra mais fraca
Bloomberg
Alexandra Noronha 18 de janeiro de 2017 às 11:16

A marca de luxo Burberry registou um aumento de 40% nas vendas nos últimos três meses de 2016 só no Reino Unido, com os compradores estrangeiros a viajarem cada vez mais para o país e a aproveitarem a libra mais fraca, devido ao Brexit.


A empresa divulgou esta quarta-feira, um comunicado que dá a entender que a época de Natal foi muito positiva em 2016 para as vendas da sociedade. "Existiu uma performance excepcional no Reino Unido, com um aumento das vendas comparáveis em 40%, tanto de clientes que viajaram de todas as regiões como de compradores domésticos", anunciou a marca britânica.   


Globalmente, as receitas das vendas atingiram os 735 milhões de libras (840 milhões de euros), um aumento de 4%, retirando o efeito das flutuações cambiais. Numa base comparável a subida foi de 3%.


Desagregando as vendas por região, a empresa registou um crescimento a um dígito na zona da Ásia-Pacífico, com uma aceleração do negócio na China continental. Na Europa continental a evolução continuou "fraca" segundo o mesmo comunicado da Burberry. Na América, o crescimento ficou também a um dígito.


Citado no mesmo comunicado, o CEO da marca, Christopher Bailey, referiu que "esta melhoria no último trimestre reflecte um progresso antecipado nos nossos planos a longo prazo".  

Em Novembro, a
 Burberry, conhecida pela famosa gabardine, completou 160 anos e para marcar esta data decidiu fazer um vídeo sobre a história do fundador da marca: Thomas Burberry.

Durante cerca de três minutos o vídeo em formato de "trailer" mostra como Thomas Burberry teve a ideia de criar a famosa peça de vestuário.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub