Empresas Vendas da Inditex crescem ao ritmo mais lento em mais de três anos

Vendas da Inditex crescem ao ritmo mais lento em mais de três anos

No terceiro trimestre, as vendas da dona da Zara cresceram 6% - a evolução mais fraca dos últimos 15 trimestres - enquanto os lucros aumentaram 2,7%.
Vendas da Inditex crescem ao ritmo mais lento em mais de três anos
Bloomberg
Negócios 13 de dezembro de 2017 às 07:43

As vendas da Inditex, a maior retalhista de vestuário do mundo, cresceram 6% no terceiro trimestre para 6,3 mil milhões de euros, o menor aumento dos últimos 15 trimestres. Já os lucros cresceram 2,7% para 975 milhões de euros, em linha com as estimativas dos analistas consultados pela Reuters.

Considerando os primeiros nove meses do ano, as vendas da dona da Zara e Massimo Dutti aumentaram 10% para 18 mil milhões de euros, enquanto o resultado líquido cresceu 6% face ao mesmo período do ano passado para um total de 2,3 mil milhões de euros.

Segundo a Bloomberg, a empresa sinalizou, contudo, que as vendas estão a recuperar neste último trimestre do ano, depois de a rentabilidade ter caído para mínimos de oito anos na primeira metade de 2017, devido à subida do euro, que encolheu as margens. Esta evolução aconteceu após dez trimestres consecutivos de subidas de dois dígitos das receitas.

A rentabilidade da Inditex é vulnerável à subida da moeda única, já que a maior parte dos seus custos é em euros e 55% da receita é gerada em países fora da Zona Euro, de acordo com as estimativas do Société Générale. A moeda única subiu face a 15 das 16 principais moedas seguidas pela Bloomberg nos primeiros nove meses do ano fiscal da empresa.

As acções da Inditex, que perdem quase 5% desde o início de Janeiro, deverão completar este ano o seu pior desempenho desde 2008.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub