Automóvel Vendas de carros de luxo disparam em 2017

Vendas de carros de luxo disparam em 2017

Aston Martin, Bentley e Lamborghini foram as marcas que mais aumentaram as vendas no ano passado em Portugal, com taxas de variação de três dígitos.
Vendas de carros de luxo disparam em 2017
A Aston Martin foi a marca que mais cresceu em Portugal no ano passado
Nuno Carregueiro 02 de janeiro de 2018 às 20:08

Os volumes de venda continuam a ser pouco expressivos, mas as marcas de automóveis de luxo foram as que mais cresceram no ano passado em Portugal, revelam os dados publicados pela ACAP esta terça-feira, 2 de Janeiro.


Num ano em que as vendas de veículos ligeiros em Portugal aumentaram 7,6%, todas as marcas de luxo alcançaram desempenhos superiores. Destacam-se a Bentley, Aston Martin e Lamborghini, as únicas em quase 40 marcas que conseguiram taxas de crescimento de três dígitos. Porsche, Maserati e Ferrari registam taxas de crescimento de dois dígitos.


Porsche é a que vende mais. Aston Martin a que mais cresce

Entre as marcas de topo, a Porsche apresenta o maior volume de vendas. Foram matriculados 207 automóveis desta marca alemã no ano passado, o que representa um crescimento de 56,8% face 2016 e o melhor resultado desde 2014, ano em que as vendas foram quase o dobro.  

Já a Maserati consegui o seu melhor de sempre em Portugal, com 52 unidades vendidas (crescimento de 20,9%). A Ferrari cresceu 17,6% para 20 unidades, sendo 2017 o melhor ano desde 2010, quando foram vendidos 23 automóveis da marca italiana.

As outras três marcas registaram vendas menos expressivas, mas crescimentos mais robustos. A Aston Martin vendeu 17 automóveis em Portugal contra 7 no ano anterior (+150%) e a Bentley passou de 4 para 10 unidades vendidas. Por fim, foram vendidos quatro Lamborghini no ano passado, o dobro do registado em 2016 e o melhor registo desde 2010 (6 automóveis).

Vendas das marcas de luxo por unidade desde 2010:

Crescimento do mercado abranda


Estes crescimentos contrastam com os registados pela quase generalidade das marcas portugueses, num mercado que cresceu abaixo dos 10% no ano passado.

As vendas de veículos automóveis ligeiros em Portugal aumentaram 7,6% em 2017, naquele que foi o quinto ano consecutivo de crescimento deste mercado.

 

Apesar de continuar positivo, o mercado automóvel abrandou substancialmente no ano passado, já que o crescimento de 7,6% foi o mais baixo desde período de cinco anos, que representa uma recuperação das fortes quedas sentidas nos anos da crise em Portugal.

 

Apesar destes cinco anos de retoma no mercado, o nível de vendas no ano passado permanece abaixo do registado em 2010, que foi o último ano antes da crise. Em 2017 foram matriculados pelos representantes oficiais de marca em Portugal um total de 260.654 automóveis ligeiros em Portugal. Em 2010 as vendas aumentaram 34,6% para 269.133 veículos.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ss Há 1 semana

Com tantos estrangeiros a morar em Portugal é natural... o que não foi natural foram os 468 Porsches matriculados em 2010, ou seja em plena crise financeira. Esse sim é um número preocupante porque estavam empresas a fechar e muitos despedimentos em curso...

fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 1 semana

Os descontos e impostos que pago para sustentar xulos, ladrões, oportunistas, chegava para comprar um bugati chiron igual ao do jogador da bola um tal cristiano
País de novos ricos muitos deles a ga..mar

Mas que surpresa... Há 1 semana

Depois de arruinarem tanta gente da classe média os ricos ficaram ainda mais ricos. Curiosamente não podem estacionar livremente pois aparece logo alguém com um prego afiado que lhes risca os carrinhos. Que pena. Ahahahahah.

pub