Imobiliário Vendas de casas em máximos e preços disparam mais de 10%

Vendas de casas em máximos e preços disparam mais de 10%

No terceiro trimestre deste ano foram vendidas 38.783 casas, o valor mais elevado de que há registo na série, segundo o INE. No mesmo período, o valor das vendas ascendeu a quase 4.900 milhões de euros, também um valor recorde.
Vendas de casas em máximos e preços disparam mais de 10%
Paulo Zacarias Gomes 20 de dezembro de 2017 às 11:10
As transacções de activos imobiliários em Portugal continuam a conquistar recordes e a subida do número das vendas está a ser acompanhado por um forte crescimento nos preços.

No terceiro trimestre (Julho a Setembro) foram vendidas no país 38.783 casas, o valor mais elevado de que há registo na série (iniciada em 2009) e uma subida de 23% em relação ao mesmo período de 2016, segundo os dados revelados esta quarta-feira, 20 de Dezembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No mesmo período, o valor das vendas ascendeu a quase 4,9 milhões de euros (4.861.127 euros), também um valor recorde, enquanto os preços medidos pelo índice de preços à habitação cresceram 10,4% em termos homólogos. Um comportamento que representa uma aceleração em relação ao crescimento homólogo do trimestre anterios, que tinha sido de 8%.

As regiões Lisboa, Norte e Centro tiveram vendas recorde e quase dois terços - 64% - das transacções ocorreram no conjunto da área metropolitana da capital e no Norte. Quase metade do valor das transacções (47,5%) teve origem na área da capital, responsável por 34% do número de vendas.

Segundo o instituto estatístico, a venda de casas já existentes foi a que mais contribuiu para as transacções realizadas (84,7% do total) e para a subida dos preços, tendo esta categoria registado uma variação homóloga de 11,5%, enquanto a subida dos preços nos imóveis novos foi de 6,9%.

O ritmo de aumento de venda de casas usadas foi quase duas vezes superior ao das transacções envolvendo casas novas (subida homóloga de 24,8% contra 14%, respectivamente).

Em cadeia - trimestre sobre trimestre -, o INE refere que o período entre Julho e Setembro constituiu o segundo trimestre consecutivo de intensificação nas vendas, que subiram 5,1% em relação ao trimestre precedente.

Os aumentos nos preços, nas transacções e nos valores das vendas coincidem com um ciclo de crescimento do crédito concedido para a compra de habitação. Segundo o Banco de Portugal, em dados divulgados na semana passada, entre Janeiro e Outubro os bancos concederam 6.658 milhões de euros para este fim, um aumento homólogo de 43,8%. Até Setembro, o valor concedido já superou todo o que tinha sido disponibilizado pela banca em todo o ano 2016. Desde 2010 que os bancos não emprestavam tanto dinheiro para este fim.

(Notícia actualizada às 11:30 com mais informação)