Imobiliário Vendas de casas em máximos e preços disparam mais de 10%

Vendas de casas em máximos e preços disparam mais de 10%

No terceiro trimestre deste ano foram vendidas 38.783 casas, o valor mais elevado de que há registo na série, segundo o INE. No mesmo período, o valor das vendas ascendeu a quase 4.900 milhões de euros, também um valor recorde.
Vendas de casas em máximos e preços disparam mais de 10%
Paulo Zacarias Gomes 20 de dezembro de 2017 às 11:10
As transacções de activos imobiliários em Portugal continuam a conquistar recordes e a subida do número das vendas está a ser acompanhado por um forte crescimento nos preços.

No terceiro trimestre (Julho a Setembro) foram vendidas no país 38.783 casas, o valor mais elevado de que há registo na série (iniciada em 2009) e uma subida de 23% em relação ao mesmo período de 2016, segundo os dados revelados esta quarta-feira, 20 de Dezembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No mesmo período, o valor das vendas ascendeu a quase 4,9 milhões de euros (4.861.127 euros), também um valor recorde, enquanto os preços medidos pelo índice de preços à habitação cresceram 10,4% em termos homólogos. Um comportamento que representa uma aceleração em relação ao crescimento homólogo do trimestre anterios, que tinha sido de 8%.

As regiões Lisboa, Norte e Centro tiveram vendas recorde e quase dois terços - 64% - das transacções ocorreram no conjunto da área metropolitana da capital e no Norte. Quase metade do valor das transacções (47,5%) teve origem na área da capital, responsável por 34% do número de vendas.

Segundo o instituto estatístico, a venda de casas já existentes foi a que mais contribuiu para as transacções realizadas (84,7% do total) e para a subida dos preços, tendo esta categoria registado uma variação homóloga de 11,5%, enquanto a subida dos preços nos imóveis novos foi de 6,9%.

O ritmo de aumento de venda de casas usadas foi quase duas vezes superior ao das transacções envolvendo casas novas (subida homóloga de 24,8% contra 14%, respectivamente).

Em cadeia - trimestre sobre trimestre -, o INE refere que o período entre Julho e Setembro constituiu o segundo trimestre consecutivo de intensificação nas vendas, que subiram 5,1% em relação ao trimestre precedente.

Os aumentos nos preços, nas transacções e nos valores das vendas coincidem com um ciclo de crescimento do crédito concedido para a compra de habitação. Segundo o Banco de Portugal, em dados divulgados na semana passada, entre Janeiro e Outubro os bancos concederam 6.658 milhões de euros para este fim, um aumento homólogo de 43,8%. Até Setembro, o valor concedido já superou todo o que tinha sido disponibilizado pela banca em todo o ano 2016. Desde 2010 que os bancos não emprestavam tanto dinheiro para este fim.

(Notícia actualizada às 11:30 com mais informação)



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado jopsilveira Há 3 semanas

Isto é uma bolha autêntica.
Os preços estão a níveis insustentáveis e quem compra agora habilita-se a ter comprado a preços de loucura.
O senhor em baixo que refere que os preços vão subir 50%, deve fumar coisas para além de tabaco...

comentários mais recentes
jopsilveira Há 3 semanas

Isto é uma bolha autêntica.
Os preços estão a níveis insustentáveis e quem compra agora habilita-se a ter comprado a preços de loucura.
O senhor em baixo que refere que os preços vão subir 50%, deve fumar coisas para além de tabaco...

Anónimo Há 3 semanas

O bem e que vai acontecer o contrário do que para aqui dizem... As casas têm tendência de valorização (para já) uma vez que ainda não estão aos preços que estavam em 2007... Mas de futuro próximo estarão muito mais caras - pois irão valorizar na ordem dos 50%...
de quem sabe o que diz, cmpts.

PDS Há 3 semanas

Parece-me que devem ser 4.9 mil milhões de euros... mas é fazer as contas.

O Português não tem emenda! Cai sempre! Há 3 semanas

Anda tudo maluquinho a comprar tijolos! Daqui por 4 anos valem bem menos do que deram por eles! O crédito malparado vai voltar em força, os bancos vão tornar a ser salvos pelos contribuintes q não têm culpa. Quem comprou a crédito fica sem o imóvel. E quem compra a seguir compra em saldo!

ver mais comentários