Automóvel Vendas mundiais da Mercedes atingem novo máximo histórico

Vendas mundiais da Mercedes atingem novo máximo histórico

As vendas mundiais da Mercedes crescem sem parar há 57 meses consecutivos, quase cinco anos. O Classe E é o modelo da marca alemã mais vendido em todo o mundo.
Vendas mundiais da Mercedes atingem novo máximo histórico
André Cabrita-Mendes 08 de dezembro de 2017 às 16:05
As vendas da Mercedes-Benz cresceram 10,7% nos primeiros 11 meses deste ano para um total de 2,095 milhões de automóveis. Este é um novo máximo histórico de vendas para o período entre Janeiro e Novembro. As vendas mundiais da Mercedes crescem sem parar há 57 meses consecutivos, quase cinco anos.

Em Novembro, a Mercedes foi a marca premium com mais vendas em diversos países como Portugal, Alemanha, França, Itália, Estados Unidos, Canadá ou México.

A nível global, o maior crescimento percentual foi registado na China (27,3%) com 540 mil unidades vendidas até Novembro. Já na Europa as vendas cresceram 7,3% para 880 mil unidades. Nos Estados Unidos, as vendas recuaram 2% este ano para 302 mil veículos.

Os modelos mais vendidos da Mercedes em todo o mundo foram o Classe E Limousine e o Classe E Station. As vendas do Classe E Limousine até Novembro dobraram face ao registado em período homólogo. 

Em Portugal, a Mercedes foi a quarta marca com mais vendas entre Janeiro e Novembro, com uma diferença de apenas 36 automóveis para a terceira classificada, a Volkswagen que tem um total de 15.265 veículos. As vendas nacionais da Volkswagen desceram 4,1% este ano, enquanto as da Mercedes cresceram 6,4%.

A Renault foi a marca mais vendida em Portugal (27.897 automóveis), com uma quota de mercado de 13,6%. Segue-se a Peugeot, cujas vendas cresceram 7,9% este ano.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub