Tecnologias Vendas na App Store da Apple cresceram 40% em 2016

Vendas na App Store da Apple cresceram 40% em 2016

A facturação dos fabricantes de aplicações para a App Store da Apple cresceu para mais de 20 mil milhões de dólares no ano passado. A empresa da maçã fala em "ano recorde".
Vendas na App Store da Apple cresceram 40% em 2016
.
Negócios 05 de janeiro de 2017 às 16:11

O valor gasto pelos utilizadores da App Store da Apple aumentou 40% em 2016, sobretudo devido a jogos como o Pokémon Go e o Super Mario Run.

Segundo os dados revelados pela empresa liderada por Tim Cook, citados pelo Financial Times, os pagamentos aos programadores de aplicações (retirando a percentagem da Apple) subiram para mais de 20 mil milhões de dólares (cerca de 19,2 mil milhões de euros) no ano passado.

"2016 foi um ano recorde para a App Store", afirmou Phil Schiller, vice-presidente de marketing mundial da Apple, citado pela mesma publicação.

O foco da empresa da maçã tem estado precisamente nas receitas dos serviços online, como a App Store, iCloud e Apple Music, para contrabalançar a evolução das vendas do iPhone, que desceram pela primeira vez no ano passado.

De acordo com o Financial Times, os fabricantes das aplicações – que, em geral, ficam com 70% das receitas, sendo que os restantes 30% são para a Apple – viram os seus ganhos aumentarem cerca de 40% em cada um dos últimos três anos. O rendimento total dos fabricantes proveniente da App Store supera os 60 mil milhões de dólares desde que esta foi lançada, em 2008, um valor que, segundo os analistas, supera o rendimento da app store Android e Google Play, juntos.

"A receita na App Store da Apple ultrapassou o total da indústria", afirma a analista Danielle Levitas. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub