Imobiliário Vendida antiga sede do Bankia em Lisboa

Vendida antiga sede do Bankia em Lisboa

O comprador, num negócio de 3 milhões de euros que ficou concluído há dois meses, foi a Primosfera, que em Setembro do ano passado comprou um imóvel ao Estado por quase 10 milhões de euros.
Vendida antiga sede do Bankia em Lisboa
Google Maps
Paulo Zacarias Gomes 19 de abril de 2017 às 16:58

A antiga sede da sucursal portuguesa do banco espanhol Bankia, localizada em Lisboa, foi vendida à Primosfera – Investimentos Imobiliários, um negócio avaliado em três milhões de euros.

Em causa está um palacete localizado nos números 6 a 8 da Rua Rodrigo da Fonseca. De acordo com um comunicado da consultora imobiliária Worx – que representou a Primosfera na aquisição – o negócio ficou pronto em Fevereiro passado.

"O edifício, localizado no centro da cidade de Lisboa, próximo do Marquês de Pombal, era anteriormente propriedade de uma instituição bancária, resultante da fusão de cajas espanholas," lê-se no comunicado, que não refere qual o banco em causa.

A morada em causa surge referenciada em várias pesquisas como sendo a do banco espanhol Bankia, criado em 2010 na sequência da fusão dos negócios bancários de sete "cajas de ahorros". Agora, a antiga sede da sucursal do banco dará lugar ao centro operacional da Primosfera.

O edifício, renovado em 2004 e adaptado a escritórios, tem uma área total construída de cerca de 800 metros quadrados, quatro pisos - três acima do solo e um subterrâneo – a que se junta jardim e estacionamento no exterior.

Em Setembro passado, segundo o Expresso, a Primosfera foi um dos compradores de edifícios do Estado colocados à venda, tendo adquirido por 9,7 milhões de euros o Quartel da Estrela.

"Estamos muito satisfeitos com esta aquisição," afirma Miguel Charters Monteiro, CEO da Primosfera, sobre a nova sede. Já Pedro Valente, Capital Markets da Worx, destaca o processo de venda competitivo do palacete: "Os Family Offices nacionais estão neste momento muito activos no mercado imobiliário nacional. Pois consideram este sector como uma classe de activos muito resiliente e protectora dos seus capitais," lê-se no comunicado.

"Nos últimos anos, os Family Offices têm ganho força em Portugal enquanto veículos de investimento imobiliário com uma forte capacidade de aquisição e, sobretudo, com tomadas de decisão num curto espaço de tempo," acrescenta a mesma nota.

O Bankia anunciou em 2013 que encerraria a sua sucursal em Portugal até ao final desse ano depois de, em 2012, ter sido nacionalizado e obrigado ao cumprimento de um plano de reestruturação que passou pelo emagrecimento no exterior.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.04.2017

Um negocio à moda dos portugueses, alguém em Espanha e não só, deve estar a esfregar as mãos de contente, não há nada como estar no sitio e no momento certo.

pub