Automóvel Venezuela apreende fábrica da General Motors e empresa interrompe produção

Venezuela apreende fábrica da General Motors e empresa interrompe produção

Em causa uma batalha judicial que se arrasta desde 2000, quando um concessionário da empresa pediu uma indemnização ao fabricante norte-americano.
Venezuela apreende fábrica da General Motors e empresa interrompe produção
Paulo Zacarias Gomes 20 de abril de 2017 às 15:45
A General Motors suspendeu a produção na única fábrica na Venezuela, a de Valencia, depois de as autoridades do país terem arrestado as instalações e os automóveis ali fabricados. A posse do edifício e dos bens, para pagamento de indemnização a um antigo concessionário, foi decidida numa altura em que decorrem protestos contra o governo.

Num comunicado, o fabricante norte-americano sediado em Detroit considerou que a intervenção – que levou à retirada de veículos da fábrica – foi "ilegal" e causou danos irreparáveis à companhia, referem a Associated Press e a NBC.

O arresto foi decidido pelo Tribunal Civil, Mercantil e de Trânsito da Circunscrição Judicial do estado de Zulia. Na base da tomada de posse – que impede o acesso aos bens e poderá incluir o congelamento das contas bancárias – deverá estar um caso judicial que se arrasta desde 2000, quando um antigo concessionário de Maracaibo pediu uma indemnização de 476 mil milhões de bolívares (44,3 mil milhões de euros à cotação actual), segundo o El Universal, pelo cancelamento do seu contrato por alegada "ineficiência".

O arresto terá acontecido "ignorando totalmente" os direitos legais do construtor, alega. A GM "rejeita fortemente as medidas arbitrárias tomadas pelas autoridades e empreenderá todas as acções legais, dentro e fora da Venezuela, para defender os seus direitos," refere a companhia na mesma nota. A acção é, classifica, "improcedente, absurda, e sem lógica jurídica."

A empresa mostrou-se disponível para compensar os trabalhadores, caso o governo o permita, pelo fim da relação contratual de trabalho resultante de motivos alheios aos colaboradores e à companhia. Já os concessionários continuarão – ao contrário da fábrica – a trabalhar.

A sucursal da GM no país, a General Motors Venezolana, existe há quase 70 anos e emprega quase 2.700 trabalhadores, contando com 79 concessionários no país que, por sua vez, dão emprego a 3.900 pessoas. O grupo norte-americano será ainda responsável por fornecer metade do mercado de peças sobresselentes no país.

As acções da General Motors avançam 0,65% para 34,01 dólares em Nova Iorque.

As manifestações no país latino-americano - a braços com escassez de alimentos e inflação galopante, o terceiro ano de recessão e uma taxa de desemprego que poderá ultrapassar os 25% este ano - têm-se sucedido no último mês, sobretudo depois de a administração do presidente Nicolas Maduro ter impedido o líder da oposição, Henrique Capriles, de assumir quaisquer funções públicas nos próximos 15 anos.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Manuel 20.04.2017

O socialismo em toda a sua plenitude. Os venezuelanos não têm comida, mas o governo subsidiou partidos estrangeiros como o Podemos ( e quem sabe, o Bloco?).

pub