Telecomunicações Verizon está a explorar fusão com a Charter Communications

Verizon está a explorar fusão com a Charter Communications

O presidente executivo da Verizon já terá feito contactos com executivos da Charter para avaliar uma possível fusão de negócios, avança o Wall Street Journal.
Verizon está a explorar fusão com a Charter Communications
Negócios 26 de janeiro de 2017 às 15:37

A Verizon está a estudar uma possível fusão com a Charter Communications. Segundo o Wall Street Journal, que cita fontes próximas do processo, o presidente executivo da Verizon, Lowell McAdam, já avançou com contactos com responsáveis da Charter para explorar esta opção.

A Verizon, que ganhou a corrida pela Yahoo, tem 114 milhões de subscritores de internet móvel e a Charter soma 17 milhões de clientes de televisão paga e 21 milhões de utilizadores de internet.

O casamento das duas operadoras norte-americanas iria criar um gigante de media e de telecomunicações. Mas como o WSJ sublinha, apesar de ter havido contactos, não é certo que os executivos da Charter, incluindo o CEO, Tom Rutledge, estejam interessados em avançar com uma fusão.

De acordo com o WSJ, a Verizon tem uma capitalização bolsista de 194 mil milhões de dólares (cerca de 180 mil milhões de euros), enquanto a Charter, que tem John Malone entre os accionistas, é avaliada em 80 mil milhões de dólares (74,5 mil milhões de euros).

A operação, a avançar, necessita de luz verde dos reguladores. E esta fusão iria ser analisada ao pormenor pelo regulador da concorrência tendo em conta o ‘peso’ das duas empresas no mercado.

E também seria um teste à posição do novo presidente dos EUA, Donald Trump, que durante a campanha manifestou preocupações com a consolidação na área dos media depois de em Outubro a AT&T e a Time Warner anunciarem que tinham chegado a acordo para avançar com uma fusão.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub