Transportes Via do Infante lidera crescimento do tráfego

Via do Infante lidera crescimento do tráfego

Todas as concessões rodoviárias registaram aumentos da circulação no segundo trimestre deste ano. A antiga Scut do Algarve teve a maior subida, que só em Abril foi de 33,9%.
Via do Infante lidera crescimento do tráfego
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 19 de outubro de 2017 às 16:05

O tráfego no conjunto das auto-estradas nacionais continuou a crescer no segundo trimestre, tendo aumentado 11,7% em Abril, mês em que este ano teve lugar a Páscoa. De acordo com dados do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), em Maio o aumento da circulação, em termos homólogos, nas diversas concessões rodoviárias foi de 7,6% em Maio e de 6,7% em Junho.


A Via do Infante protagonizou no segundo trimestre o maior acréscimo do tráfego, tendo só em Abril conseguido um aumento de 33,9%. Esta concessão – A22 – foi uma das cinco em que foram aplicados a 1 de Agosto de 2016 descontos de 15% nas portagens.


De acordo com dados do IMT, as restantes vias incluídas nessa medida registaram igualmente crescimentos a dois dígitos. Em Abril, a Interior Norte (A24) viu aumentar a circulação em 22,8%, a Beira Interior (A23) em 21,9% e a Beiras Litoral e Alta (A25) de 14,8%. De acordo com o relatório de tráfego do IMT, na A4 o tráfego aumentou nesse mês cerca de 8%.


No entanto, apenas a Via do Infante registou no segundo trimestre acréscimos superiores a 20%. Em Maio o aumento foi de 20,8% e em Junho de 23%.


Nos três meses todas as concessões registaram neste período aumentos do tráfego médio diário. Só em Junho, depois da Via do Infante, os maiores acréscimos foram na Douro Litoral (mais 13,2%), Grande Lisboa (12,5%) e Grande Porto (11%).


Os crescimentos mais reduzidos, por seu lado, foram registados na concessão da Costa da Prata, de 1,5%, e na Lusoponte, de 2,9%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub