Banca & Finanças Vieira da Silva argumenta que separação radical no Montepio pode ter riscos

Vieira da Silva argumenta que separação radical no Montepio pode ter riscos

As orientações que visam a distinção dos produtos comercializados pela caixa económica do Montepio e dos produtos mutualistas fazem sentido. Contudo, não se pode apagar a “associação histórica”. Isso teria “riscos”.
Vieira da Silva argumenta que separação radical no Montepio pode ter riscos
Diogo Cavaleiro 17 de janeiro de 2018 às 10:43

Uma separação abrupta entre a Caixa Económica Montepio Geral e a sua accionista única, a Montepio Geral – Associação Mutualista, terá riscos, segundo defende o ministro José Vieira da Silva.

 

De acordo com as declarações proferidas na audição da comissão parlamentar do Trabalho e Segurança Social, Vieira da Silva diz que há uma "associação história que não se consegue apagar" entre as duas entidades. Fazê-lo, argumentou, "teria riscos para as duas instituições". "Julgo que esse não seja o objectivo de ninguém", frisou.

 

O Banco de Portugal tem, desde 2015, dinamizado uma distinção entre as duas entidades, obrigando a uma gestão distinta e a uma comercialização diferenciada dos produtos ora vendidos pela caixa ora vendidos pela mútua. "Creio que a associação mutualista e a caixa económica fizeram caminho no sentido de garantir essa separação".

 

"Será sempre uma autonomização relativa. Ninguém põe em causa que o titular das acções é a associação mutualista. É uma realidade indiscutível", afirmou o ministro. A Caixa Económica Montepio Geral é detida, a 100%, pela associação mutualista presidida por António Tomás Correia, que está disponível a vender uma parcela desse capital. A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa está a estudar a possibilidade de ser compradora – um tema sobre o qual Vieira da Silva recusa qualquer pressão.

 

Segundo Vieira da Silva, a distinção dos produtos vendidos pode fazer sentido, mas assegurou que as "alterações da estratégia de marketing e do próprio desenho da divulgação de produtos" já ocorreram.

 

Conforme noticia esta quarta-feira o Negócios, a Caixa Económica Montepio Geral está comprometida a apresentar medidas adicionais para concretizar a execução da separação entre as duas entidades.

 

O ministro foi chamado ao Parlamento para esclarecer os "contornos" do negocio através do qual a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa admite investir até 200 milhões de euros para ficar com um máximo de 10% do capital da Caixa Económica Montepio Geral. Foi a segunda vez que Vieira da Silva foi convocado para explicar aos deputados. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado alberto9 17.01.2018

O problema da separação é que se ficará a saber que os produtos vendidos pela mutua não valem nada, são fundos sem fundo. Toda este esquema não é mais do que um esquema ponzi

comentários mais recentes
José Policarpo 17.01.2018

A Mutualista e a Caixa económica existem ligadas há quase 180 anos, mas de há uns tempos para cá acha-se isso intolerável! Até há pouco tempo a Administração e os colaboradores eram comuns, mas agora é um perigo misturarem-se! Os produtos da AM sempre foram vendidos no Banco, mas agora não se pode".

alberto9 17.01.2018

O problema da separação é que se ficará a saber que os produtos vendidos pela mutua não valem nada, são fundos sem fundo. Toda este esquema não é mais do que um esquema ponzi

pub