Empresas Vieira da Silva falou hoje com Tomás Correia sobre Montepio

Vieira da Silva falou hoje com Tomás Correia sobre Montepio

O presidente da mutualista não se importa de ser supervisionado pela ASF mas recusa ter de seguir as mesmas regras que as seguradoras.
Vieira da Silva falou hoje com Tomás Correia sobre Montepio
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 14 de março de 2017 às 17:09

O ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, falou esta terça-feira, 14 de Março, com António Tomás Correia sobre a situação do Montepio, após a notícia do Público que avança que, em 2015, as contas consolidadas do universo Montepio apresentavam capitais próprios negativos de 107 milhões de euros.

 

A confirmação da conversa foi dada por Tomás Correia na conferência de imprensa que deu depois de publicada a notícia. O líder da mutualista adiantou que há "contacto permanente" com o Ministério, tanto da iniciativa do supervisionado como do supervisor. "Ainda hoje estive à conversa".

 

Neste momento, o supervisor da associação mutualista é o Ministério do Trabalho, ainda que há dois anos esteja a ser discutida uma revisão do Código das Mutualistas que prevê a passagem da supervisão para a ASF, o regulador dos seguros.

 

"Não temos nada contra isso", disse Tomás Correia sobre a supervisão pela ASF. "Totalmente de acordo", frisou.

 

Contudo, há aspectos de que o Montepio não abdica: a mutualista não pode ser comparada a uma seguradora. "[Nisso] estaremos sempre em desacordo". Tomás Correia disse que o actual Governo está também contra essa equiparação. O Ministério da Solidariedade Social não tem respondido, nunca, às questões que o Negócios tem colocado sobre a supervisão da mutualista.

 

O presidente do conselho geral do Montepio, Vítor Melícias, quis deixar claro que é "indiferente" quem venha supervisionar. Diz, até, que é defensor de uma "inspecção permanente muito cuidada e profunda". No entanto, recusa que o Montepio Mutualista, que é dono da caixa económica e da seguradora Lusitânia, seja analisado segundo regras financeiras apenas e não tendo em conta o seu aspecto social. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub