Banca & Finanças Vieira da Silva pede para tratarem Montepio "com carinho especial"

Vieira da Silva pede para tratarem Montepio "com carinho especial"

A separação que o Banco de Portugal está a ordenar no grupo mutualista, entre a associação e a caixa económica, deve ser feita "sem pôr em causa o equilíbrio das instituições", defende o ministro do Trabalho.
Vieira da Silva pede para tratarem Montepio "com carinho especial"
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 17 de maio de 2017 às 13:51

As autoridades com responsabilidade pública devem tratar o Montepio Geral com um "carinho especial", segundo declarou esta quarta-feira, 17 de Maio, o ministro do Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social, José Vieira da Silva.

 

Na audição da comissão de Trabalho, para onde foi convocado pelo CDS e pelo BE, o ministro considerou que o "património" deixado pelo grupo mutualista é "o capital de confiança das instituições", pelo que a associação "deve ser tratada com um carinho especial, sempre que se trate de responsáveis ou agentes com responsabilidade pública". Apesar da afirmação, o governante não mencionou a que autoridades fazia o pedido. 
 

Certo é que o governante com a tutela e a supervisão da associação mutualista deixou um conselho sobre a separação entre a casa-mãe e a Caixa Económica Montepio Geral, que está a ser determinada pelo Banco de Portugal. "Essa transformação deve ser feita de forma progressiva e sem pôr em causa o equilíbrio das duas instituições", assinalou Vieira da Silva.


"Tudo isso são activos de enormíssimo valor, que ninguém tem o direito de pôr em causa, seja qual for o lugar que desempenhemos", continuou o governante.

 

A separação entre a associação mutualista e a caixa económica é defendida pelo Banco de Portugal como uma forma de evitar o contágio entre as duas instituições. Quando teve dificuldades, a caixa foi capitalizada com dinheiros dos mutualistas mas o regulador quer colocar um ponto final na dependência – motivo pelo qual a instituição financeira está em processo de transformação em sociedade anónima, que abre porta a eventuais novos investidores (como é o caso da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa).


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 1 semana

O metereologista aritmetico de longo alcance falou e disse:ioioioioioioio.

JCG Há 1 semana

estes gajos em vez de governarem, bolsam conversa fiada...

pub
pub
pub
pub