Banca & Finanças Vieira da Silva: Produtos da associação mutualista Montepio "em níveis confortáveis"  

Vieira da Silva: Produtos da associação mutualista Montepio "em níveis confortáveis"  

O ministro do Trabalho admite alterações ao enquadramento legal da actividade das mutualistas, mas nada de radical.  
Vieira da Silva: Produtos da associação mutualista Montepio "em níveis confortáveis"  
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 14 de março de 2017 às 21:56

O ministro do Trabalho e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou esta terça-feira, 14 de Março, que está a acompanhar "a essência do trabalho" da Associação Mutualista Montepio Geral, tal como para as outras instituições desta área.

 

"Do ponto vista do acompanhamento que o ministério tem feito, os rácios de cobertura para produtos que são avaliados, como em qualquer outra mutualidade, têm-se mantido em níveis confortáveis", afirmou Vieira da Silva, de acordo com as declarações aos jornalistas efectuadas no Parlamento, transmitidas pela SIC Notícias.

 

O supervisor da associação mutualista é o Ministério do Trabalho, ainda que há dois anos esteja a ser discutida uma revisão do Código das Mutualistas que prevê a passagem da supervisão para a ASF, o regulador dos seguros.

 

Assim, é ao ministério de Vieira da Silva que cabe a supervisão dos produtos da mutualista que são vendidos aos balcões do Montepio.

 

O ministro admitiu efectuar alterações ao enquadramento legal da actividade das mutualistas. "É possível que tenhamos de fazer algumas correcções", mas "não radicais".

 

A associação mutualista Montepio Geral, dona da caixa económica com o mesmo nome e do grupo segurador Lusitânia, convocou uma conferência de imprensa depois da notícia do Público que dá conta da auditoria feita pela KPMG às contas consolidadas de 2015 e que fala num desequilíbrio patrimonial negativo (capitais próprios negativos de 107 milhões de euros).

 

Segundo Tomás Correia, a situação patrimonial não corresponde a qualquer falência, pelo que a eventual ligação a essa possibilidade "não corresponde à realidade".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub