Banca & Finanças Vieira da Silva sobre Montepio: "Governo não dá ordens à Misericórdia de Lisboa"

Vieira da Silva sobre Montepio: "Governo não dá ordens à Misericórdia de Lisboa"

O ministro com a tutela da Solidariedade Social reitera que há "vantagens indiscutíveis" na "cooperação" entre o Montepio e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.
Vieira da Silva sobre Montepio: "Governo não dá ordens à Misericórdia de Lisboa"
Pedro Elias
Diogo Cavaleiro 17 de maio de 2017 às 10:21

"O Governo não dá ordens à Misericórdia de Lisboa". A afirmação é de José Vieira da Silva, ministro da Solidariedade e da Segurança Social, que diz apenas que há apenas contactos normais em relação à possibilidade de a Santa Casa investir na área financeira do grupo mutualista Montepio.

 

Na audição da comissão do Trabalho e Segurança Social desta quarta-feira, 17 de Maio, para onde o governante foi convocado pelo CDS e pelo BE, Vieira da Silva defendeu que nem dá ordens nem a entidade aceita. "Há uma troca de impressões normal" , adiantou, dizendo que há contactos sobre "orientações estratégicas", mas "também existe uma grande autonomia na Misericórdia."

 

A audição foi agendada devido às notícias que dão conta da eventual entrada da entidade presidida por Pedro Santana Lopes na Caixa Económica Montepio Geral, detida totalmente pela associação mutualista com o mesmo nome. O ex-primeiro-ministro já afirmou que só em Junho irá tomar uma posição, mas o CDS quis saber se o Governo deu indicações para este eventual investimento.

 

"Esta convergência só se verificará se corresponder ao interesse da Misericórdia de Lisboa", afiançou o ministro.

 

Tal como já tinha feito no passado, Vieira da Silva voltou a declarar que vê com "bons olhos os passos no sentido de uma maior cooperação entre as instituições do sector social". 

 

"Reafirmo esta atitude de identificar as vantagens na cooperação entre o sector social", acrescentou o governante no Parlamento, classificando já essas vantagens como "indiscutíveis".


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub