Banca & Finanças Violas questiona razões de adiamento da AG do BPI

Violas questiona razões de adiamento da AG do BPI

Tiago Violas Ferreira sugere que o adiamento da reunião de accionistas do BPI não está relacionado com as autorizações do BCE, mas sim com pagamentos que a Unitel se comprometeu a fazer até 9 de Dezembro.
Violas questiona razões de adiamento da AG do BPI
Paulo Duarte/Negócios
Negócios 25 de Novembro de 2016 às 10:44

A assembleia-geral do BPI sobre a venda do controlo do BFA à Unitel de Isabel dos Santos foi adiada para 13 de Dezembro. O pedido foi feito pelo próprio CaixaBank à espera da posição do Banco Central Europeu (BCE) sobre a operação.

 

Tiago Violas Ferreira, accionista do BPI através da Violas Ferreira Finance, que detém 2,681% do capital do banco português, questiona a veracidade do argumento apresentado para se adiar a venda de 2% do BFA à Unitel.

"Pode ser, e é até bastante provável, que a verdadeira razão do adiamento desta AG para o próximo dia 13 de Dezembro de 2016 seja aguardar pela confirmação do pagamento destes montantes ao BPI." Tiago Violas Ferreira

E explica, numa artigo de opinião no Negócios, porque duvida: "quando interrogado sobre as dúvidas do CaixaBank e o que aconteceria em caso de resposta negativa do BCE, o presidente da comissão executiva apressou-se a dizer que em todos os contactos mantidos entre o BPI e o BCE, lhes foi garantido que este formato responde a todas as suas exigências, embora não haja ainda uma confirmação escrita formal, o que se aguarda."
 

E diz ter voltado a ler a carta que o BPI enviou à Unitel a 20 de Setembro, tendo constatado que, nessa missiva, a venda dos 2% do BFA ficaram dependentes do pagamento ao BPI, "até ao dia 9 de Dezembro", 66 milhões de dividendos de 2014 e 2015, mais 30 milhões de dólares da última tranche da venda inicial de 2008.

 

"Pode ser, e é até bastante provável, que a verdadeira razão do adiamento desta AG para o próximo dia 13 de Dezembro de 2016 seja aguardar pela confirmação do pagamento destes montantes ao BPI", acrescenta Violas no artigo.

 

O responsável pede ainda a intervenção das autoridades, considerando que toda a situação é opaca e que são necessários esclarecimentos.

 

Este pedido surge depois de deixar algumas questões. "O que acontecerá se o Banco Nacional de Angola não der a permissão necessária e obrigatória para a saída destes cerca de 100 milhões de euros de Angola e estes não entrarem nos cofres do BPI até ao dia 9 de Dezembro de 2016?"

 

"Poderá o CaixaBank chumbar então este negócio em assembleia-geral?" Isto numa altura em que o BPI está pressionado pelo BCE a concluir esta operação, ao mesmo tempo que o CaixaBank já tem o poder de voto necessário para aprovar e chumbar medidas, depois de ter sido aprovado, sem oposição da Unitel, a desblindagem dos estatutos do banco.

 

"Será que a inexplicável linha de crédito que o CaixaBank concedeu à República de Angola de 400 milhões de euros em Agosto poderá finalmente ter aqui a sua explicação?"




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Parabéns pelo artigo e opinião acutilante do Violas, mesmo sabendo ter interesse directo não deixa de o defender de uma forma inteligente e transparente. Esperamos que assim continue!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Sr. Violas, isto da banca portuguesa tem muito lixo debaixo do tapete, não é o mesmo que tocar viola. A banca afundou-se num mar de águas turvas, conspurcadas e nauseabundas e quem tem responsabilidades nesta situação sacode a água do capote. Ainda há pouco tempo o sr. desgovernador do Bando de Portugal esteve a representar uma cena ascorosa de quem não tem o mínimo de vergonha.

Anónimo Há 1 semana

Este tipo que tenha vergonha e que lance uma OPA. Foi um dos aue apoiou o Santos Silva, Ulrich e Domingues quando rejetaram a OPA do BCP a sete euros. Tem vergonha rapaz. Tu e o SS, FU e AD deveriam ter vergonha na cara.

Anónimo Há 1 semana

Parabéns pelo artigo e opinião acutilante do Violas, mesmo sabendo ter interesse directo não deixa de o defender de uma forma inteligente e transparente. Esperamos que assim continue!

pub