Banca & Finanças Violas vendem na OPA mas mantêm posição residual no BPI

Violas vendem na OPA mas mantêm posição residual no BPI

O grupo Violas vai vender a maior parte da sua posição de 2,681% no BPI na OPA do CaixaBank. O maior accionista português do banco vai “manter uma posição muito pequena”, revelou Tiago Violas Ferreira ao Negócios.
Violas vendem na OPA mas mantêm posição residual no BPI
Paulo Duarte/Negócios
Maria João Gago 07 de fevereiro de 2017 às 12:18

A Violas Ferreira Financial deu ordem de venda da maior parte da sua participação no BPI no âmbito da oferta pública de aquisição (OPA) do CaixaBank, que termina esta terça-feira, 7 de Fevereiro, às 15:00. Mas pretende manter-se accionista da instituição liderada por Fernando Ulrich.

 

"Demos ordem de venda", revelou Tiago Violas Ferreira, administrador da "holding" que, com uma posição de 2,681%, é o maior accionista português do BPI. "Mas não vamos sair completamente. Vamos manter uma participação muito pequena", adiantou o representante da VFF ao Negócios.

 

O grupo Violas Ferreira é o primeiro accionista qualificado do BPI a assumir que vai vender a sua participação na OPA do CaixaBank. Se vendesse a totalidade dos 39 milhões de acções que tem em carteira, a VFF encaixaria 44,3 milhões com esta operação. Tendo em conta que a "holding" pretende manter uma participação residual no banco, o valor a arrecadar com a venda da maior parte da sua posição ficará abaixo deste montante.

 

Tiago Violas Ferreira já tinha anunciado publicamente a intenção de vender a sua posição na OPA, apesar de ter considerado baixo o preço oferecido pelo CaixaBank. A VFF chegou mesmo a pedir à CMVM que nomeasse um auditor independente que fixasse o valor da contrapartida, alegando que a oferta só pode ter sucesso porque Isabel dos Santos viabilizou a desblindagem de estatutos do BPI, depois de o banco ter proposto vender à Unitel, empresa controlada pela empresária angolana, o controlo do Banco de Fomento Angola (BFA).

 

Os Violas alegaram que a venda de 2% do BFA à Unitel por 28 milhões de euros, foi uma forma de favorecer a segunda maior accionista do BPI, Isabel dos Santos, em detrimento dos restantes investidores. No entanto, como o preço da OPA do CaixaBank, 1,134 euros por acção, corresponde à cotação média ponderada do BPI nos seis meses anteriores ao fim do limite de votos do BPI – que deu o controlo do banco ao grupo catalão e tornou a oferta obrigatória –, a CMVM entendeu que o valor da contrapartida cumpria os requisitos legais.

 

Além da VFF, a lista de accionistas qualificados do BPI inclui ainda o CaixaBank, com 45,5% do banco; Isabel dos Santos, com 18,8%; a Allianz, com 8,4%; e o Banco BIC, com 2,284%.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.02.2017

Sim e os acordos feitos fora desta negociação? custa-me acreditar que uma posição que já valeu uns 270 milhões de euros seja vendida por 44????

Se assim foi, lamento...má capacidade de negociação e gestão do processo.

Gatunos 07.02.2017

Fez o mesmo que a grande maioria dos empresários Tugas, vendem o r.abisoque e Portugal em saldos quando alguém lhes abana na cara com muita massa.

jose 07.02.2017

Mais um tuga que vende, fica a ganir, e vai investir em viagens, automóveis e farras. Os filhos e os netos vão ser empregados dos chineses, angolanos e espanhóis.

Anónimo 07.02.2017

Talvez fosse interessante verificar alguns "fluxos financeiros". Com tanto dinheiro envolvido, não concordar com o preço, e depois vender.... Não é normal.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub