Tecnologias Vírus Petya afecta carga marítima em Portugal

Vírus Petya afecta carga marítima em Portugal

A segunda maior transportadora em Portugal, a norueguesa Maersk, é uma das afectadas pelo vírus Petya. Os operadores de logística estão a avisar já os seus clientes para eventuais problemas e atrasos nas entregas.
Vírus Petya afecta carga marítima em Portugal
Reuters
Negócios 30 de junho de 2017 às 10:33
O transporte de carga marítima, sobretudo exportações, está a ser afectado pelo novo vírus informático, de seu nomePetya, escreve o Jornal de Notícias desta sexta-feira, 30 de Junho.


"No seguimento do ataque informático e do vírus Petya, alguns sites de companhias de navegação foram afectados (por exemplo, Maersk, Safmarine e Seago). Alertamos desde já os nossos clientes que os embarques previstos através destas linhas poderão vir a ser afectados por atrasos nas saídas/chegadas dos navios ou até eventuais cancelamentos de escala", refere um email da Bolloré Logistics Portugal aos seus clientes.


Um dos transportadores mais afectados por este ataque informático é a dinamarquesa Maersk, com uma frota de 636 novas. Em Portugal, é a segunda maior empresa do ramo. No seu site, a Maersk reconhece que "alguns terminais estão a ser afectados. A carga em trânsito será descarregada. Infelizmente, neste momento, não podemos aceitar novas encomendas".


Ao Jornal de Notícias, as Associação dos Agentes de Navegação de Portugal refere não ter ainda relatos de uma impacto visível, admitindo, contudo, eventuais atrasos.


O vírus Petya surgiu esta semana, com epicentro na Ucrânia e Rússia mas rapidamente espalhando-se por todo o mundo. O ataque, realizado através de email, permite bloquear o acesso aos ficheiros de um computador. Para desbloquear esse mesmo acesso, os piratas informáticas exigem o pagamento de 300 dólares, o equivalente a 265 euros.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.06.2017

Maersk é Dinamarquesa, não é Norueguesa como referido na notícia...

pub
pub
pub
pub