Banca & Finanças Visa vai ter novo CEO

Visa vai ter novo CEO

Sai Charlie Scharf, entra Alfred Kelly. Com mais de duas décadas de experiência na área de pagamentos, o novo CEO contará com o presidente cessante como conselheiro na fase de transição. As acções da Visa reagiram em queda à mudança.
Visa vai ter novo CEO
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 18 de Outubro de 2016 às 09:11

A empresa de cartões de crédito e pagamentos electrónicos Visa anunciou esta segunda-feira, 17 de Outubro, a saída do actual presidente executivo (CEO) Charlie Scharf e a sua substituição pelo administrador e antigo presidente da American Express, Alfred F. Kelly.


A alteração tem efeitos a partir de 1 de Dezembro e prende-se com razões pessoais invocadas por Scharf, que pretende passar mais tempo com a família a residir na costa Leste, oposta à localização geográfica dos escritórios da Visa em São Francisco. 


Kelly, que fez parte da equipa do presidente norte-americano Ronald Reagan e esteve 23 anos na AmEx, contará nos primeiros meses com o CEO cessante ao seu lado, como conselheiro, na fase de transição, refere a Bloomberg.


"Estamos numa posição única em que temos alguém que tem mais de duas décadas de experiência em pagamentos e conhece muito bem a Visa" afirmou Scharf em conversa com analistas. "Seria um erro colossal chegar aqui e pensar que que há muita coisa a mudar. (…) Esta empresa está ter um desempenho muitíssimo bom e Charlie [Scharf] construiu uma liderança de classe mundial," acrescentou Kelly na mesma sessão.


Durante o consulado de Scharf, o valor em bolsa dos títulos da Visa, maior rede de pagamentos do mundo, duplicaram de valor, alimentados pelos lucros oriundos da transição dos meios de pagamento, de cheques e numerário para transacções electrónicas.

As acções da Visa caíram 0,36% na sessão desta segunda-feira, para 82,15 dólares. Na negociação após o fecho das bolsas (chamado aftermarket) os títulos intensificaram a queda, recuando 1,03% para 81,3 dólares.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub