Banca & Finanças Visita do Papa: Banca não dá tolerância mas cede a tarde em casos pontuais

Visita do Papa: Banca não dá tolerância mas cede a tarde em casos pontuais

Os grandes bancos não dão tolerância de ponto, mas a maioria admite dispensar trabalhadores durante a tarde desta sexta-feira, 12 de Maio. BCP e Santander Totta podem dar uma folga parcelar. CGD dá mesmo. Todas as redes de balcões estarão a funcionar normalmente.
Visita do Papa: Banca não dá tolerância mas cede a tarde em casos pontuais
Carlos Ferreira/Correio da Manhã
Maria João Gago 11 de maio de 2017 às 13:18

Os grandes bancos não vão dar tolerância de ponto aos seus trabalhadores esta sexta-feira, 12 de Maio, dia em que os funcionários públicos estão dispensados de se apresentarem ao serviço devido à visita do Papa Francisco a Fátima. No entanto, a maioria das instituições admite dispensar alguns trabalhadores, pelo menos, durante a tarde, de acordo com a informação recolhida pelo Negócios junto dos cinco maiores bancos.

 

Caixa Geral de Depósitos, BCP e Santander Totta são as instituições que admitem dar folga parcelar aos seus trabalhadores. Já o Novo Banco e o BPI não deram indicações nesse sentido. Certo é que todas as redes de balcões estarão a funcionar normalmente, estando garantido que não haverá clientes surpreendidos com agências fechadas no horário normal de funcionamento.

 

Na CGD, a gestão autorizou a dispensa, a partir das 15:00, para os trabalhadores que pretendam participar nas celebrações da visita do Papa Francisco, com a salvaguarda de que essa ausência não ponha em causa o funcionamento da instituição e com autorização do superior hierárquico.

 

No BCP e no Santander Totta, a orientação dada às direcções é que têm margem para dispensar os trabalhadores que peçam a tarde, mas a decisão deve ser tomada tendo em conta as necessidades do serviço. Ou seja, cada direcção deve avaliar os casos concretos que lhe forem apresentados e, mediante as condições de cada serviço, autorizar ou recusar a dispensa de serviço durante a tarde.

(Notícia actualizada às 15:48 com informação específica sobre a CGD)




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
policia e gnr velhinhos 60 anos reformados S/corte 11.05.2017

ms !

os do privado e do publico devem trabalhar 48 anos ou ate aos 66 anos e 4 meses

nós somos especiais e ficamos sem tesão para tarefas basicas «aos 60 anos

ms 11.05.2017

Tolerancia de ponto a que propósito?
O que são mais que os trabalhadores do privado?
País do faz de conta.
se preocupassem com as reformas de miséria e a assistência á terceira idade é que eu ficava satisfeito

policia e gnr velhinhos 60 anos reformados S/corte 11.05.2017

ó julio

os bancarios têm grandes ordenados a custa dos impostos dos tugas
qual é o banco que dá lucro ou k não recebeu euros a custa dos totós ?
nos somos especiais de corrida
e temos de fazer horas extras pq se ganha muito bem

julio 11.05.2017

Sofrerão o castigo. Jesus morreu na cruz por todos nós, mas os bancários têm de manter as agências abertas. Os banqueiros, esses, vão-se confessar e saem absolvidos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub