Banca & Finanças Vítor Bento: “Para o PS, este era o momento ideal para ter eleições”

Vítor Bento: “Para o PS, este era o momento ideal para ter eleições”

O economista defende que sem a ajuda do BCE o “mais provável” era estarmos como em 2011. Quanto ao Novo Banco, “tendo-se optado pela venda imediata”, não percebe “porque é que ainda não ocorreu”, disse ao Público.
Vítor Bento: “Para o PS, este era o momento ideal para ter eleições”
Negócios 25 de janeiro de 2017 às 09:28

Vítor Bento, economista e ex-presidente do BES, considera que "para o PS, este seria o momento ideal para ter eleições", tendo em conta que as sondagens apontam que começa a aproximar-se da maioria absoluta, disse em entrevista ao Público.

O economista considera que o cenário de "instabilidade" criado com a recente polémica da TSU, "dificilmente poderá perdurar". "Se se continuarem a verificar contradições destas", a situação pode complicar-se e "implicará um desgaste para o Governo", comentou.

Quanto à actual situação económica do país, Vítor Bento defende que sem a intervenção d BCE "o mais provável" era estarmos numa situação parecida à de 2011. Sem a ajuda de Frankfurt, "dificilmente as taxas conseguiriam estar no nível em que estão, e atenção que isso criava, quer directa quer indirectamente, seria grande", sustentou. "Também é verdade", continuou, "que a crise da zona euro foi muito mal gerida e agravou mais os problemas do que os resolveu. Tratámos uma infecção com anti-inflamatórios, mas o germe da infecção mantém-se".

Questionado sobre a actual situação do Novo Banco, o antigo presidente do BES, relembrou que o que defendia era uma solução "mais consentânea como o que foi feito em todos os países. E que continua a ser feito. Ainda não vi em mais nenhum lado ser aplicada a nossa solução".

"Tendo-se optado pela venda imediata, não percebo porque é que ainda não ocorreu ao fim de três anos. Não sei. A única informação que tenho sobre assunto é aquilo que vai aparecendo nos jornais e aquilo que dão a Marques Mendes para ele dizer. Fico surpreendido, mas não tenho informação", acrescentou.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Joaquim da Fé 25.01.2017

Tem razão numa coisa "se não fosse o BCE estávamos como em 2011 " os juros já estariam nos 7% .Ora se o BCE deixar de comprar a divida depois do Verão ,então é certo que a coisa vai azedar . Será que é boa altura para o PS ir a eleições? Não acredito o PS já é passado espera-se o PS/1 e o PS/2

pub
pub
pub
pub