Media Vivendi compra 3% da Mediaset e acentua guerra entre os dois grupos

Vivendi compra 3% da Mediaset e acentua guerra entre os dois grupos

A francesa e a italiana estão em tribunal por causa de um negócio que falhou, mas isso não impediu a Vivendi de entrar em força no capital da empresa de Berlusconi.
Vivendi compra 3% da Mediaset e acentua guerra entre os dois grupos
Philippe Wojazer/Reuters
Negócios 13 de dezembro de 2016 às 09:47

A francesa Vivendi comprou 3% na italiana Mediaset, com promessas de aumentar até 20% no grupo de comunicação de Sílvio Berlusconi.


Este é o último episódio de um confronto entre as duas empresas, motivado pelo falhanço de um negócio em que a Vivendi iria comprar a unidade de televisão paga da Mediaset, numa troca de acções avaliada em 880 milhões de euros. Só que o grupo francês recuou e a operação está agora em tribunal.


A compra de acções no valor de cerca de 97 milhões de euros fez aumentar as acções da Mediaset para valores inéditos e são uma prova das intenções de Vincent Bollore, o chairman da Vivendi, conhecido pelas suas tácticas agressivas.  


A aquisição, da qual a Mediaset não tinha conhecimento, levou a um escalar na guerra entre as duas empresas, com a italiana a encarar a operação como o início de uma oferta hostil, ao estilo de Bollere, que já usou estratégias semelhantes em companhias como a Telecom Italia e a Ubisoft Entertainment, segundo a Bloomberg. O grupo de Berlusconi contratou consultores para contrariar a Vivendi.  


Em comunicado, a Fininvest, holding do político italiano, acusou os franceses de intencionalmente tentarem descer o valor da Mediaset. Essas acções "são parte de de um padrão específico revelado pelas movimentações actuais", disse a Fininvest, "para criar as condições para descer artificialmente o valor da Mediaset e lançar uma aquisição a desconto que parece uma oferta hostil". Ao inicio da manhã as acções já tinham subido 23%.

A Vivendi recusa que seja um movimento hostil e disse que a Mediaset não pode ser notificada por razões legais. O grupo referiu que "acredita que o interesse estratégico da parceria industrial anunciada em 8 de Abril de 2016 ultrapassa o risco do processo em tribunal".  


Nos últimos meses, o mercado está ao rubro com a compra da Time Warner pela AT&T por 85 mil milhões de dólares (80,2 milhões de euros) e com a proposta de compra da Sky pela Fox de Rupert Murdoch. O empresário tinha tentado, ele próprio adquirir a Time Warner mas sem sucesso. O negócio avalia a Sky em cerca de 18,5 mil milhões de libras (21,8 mil milhões de euros, sendo que a Fox já detém 39% da empresa britânica. As duas operações surgiram com poucas semanas de intervalo.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub