Telecomunicações Vodafone aplaude recomendação de Bruxelas sobre abertura da rede de fibra da Meo

Vodafone aplaude recomendação de Bruxelas sobre abertura da rede de fibra da Meo

O presidente executivo da Vodafone Portugal, Mário Vaz, aplaudiu esta segunda-feira a recomendação da Comissão Europeia de impor a abertura da rede de fibra da Meo (PT Portugal/Altice) em zonas não competitivas.
Vodafone aplaude recomendação de Bruxelas sobre abertura da rede de fibra da Meo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 05 de dezembro de 2016 às 18:06

Na recomendação, divulgada no seu 'site', a Comissão Europeia "pede à Anacom que imponha à MEO a obrigação de fornecer" a sua rede de fibra óptica "em algumas partes ou áreas" que o regulador "considerou serem não competitivas a nível de retalho, em particular nas áreas remotas ou rurais".

 

A Vodafone Portugal "aplaude" e "revê-se inteiramente na recomendação" da Comissão Europeia, que "reitera pela segunda vez as sérias dúvidas relativas à compatibilidade da decisão da Anacom [Autoridade Nacional de Comunicações] face às regras europeias", afirmou Mário Vaz, numa reacção sobre o assunto.

 

"Aliás, os congéneres europeus do regulador nacional que compõem o BEREC também levantaram estas preocupações", apontou o gestor.

 

"Segundo a Comissão Europeia, a Anacom não explica como é que não impor o acesso à rede de fibra da MEO vai criar um mercado concorrencial que traga escolha e preços competitivos à população que reside em 85% das freguesias portuguesas (as ditas zonas não concorrenciais segundo a Anacom)", prosseguiu o presidente executivo da Vodafone Portugal.

 

"Tanto mais que a própria Anacom admite que nessas zonas as condições socioeconómicas existentes e a densidade populacional constituem um entrave ao investimento por parte dos operadores concorrentes à MEO", acrescentou.

 

"A manter-se o sentido de decisão da Anacom continuaremos a ter um Portugal de primeira - com fibra, com concorrência e com escolha - e um de segunda - onde os clientes têm menos escolha, pior serviço e pagam mais caro", apontou o gestor, salientando que a operadora defende "um país onde o desenvolvimento, a inovação, a qualidade e os preços são para todos".

 

Nesse sentido, "continuaremos a insistir num modelo de co-investimento para as redes fixas de nova geração. Não por uma questão meramente egoísta ou por uma perspectiva oportunista, mas para garantir um investimento mais racional, assegurando mais e melhor concorrência para o país e chegando rapidamente ao território mais remoto e à população mais desfavorecida", sublinhou.

 

"Acreditamos que compete ao regulador garantir que a revolução digital quebra todas as limitações geográficas, chegando, sem excepção, a toda a população portuguesa, de norte a sul do país e às regiões autónomas", disse, salientando esperar que a Anacom "não ficará indiferente às preocupações levantadas pelos operadores alternativos, pelo BEREC e pela Comissão Europeia, alterando a sua decisão".


A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 05.12.2016

Estes tipos da Anacom trabalham a carvão. Ainda assim são melhores que os da ERC, esses então ainda andam a friccionar as pedras.

comentários mais recentes
Anónimo 06.12.2016

Para o MataMouritos:

Na rede de cobre foi o estado que investiu, o investimento na rede de fibra já foi feito sendo a PT privada!!!

MataMouritos 06.12.2016

para o anónimo das 8:50, não foi a PT que investiu foi o estado, o grande problema foi quando se privatizou a PT, a PT infraestruturas também foi vendida indevidamente, por isso é que a rede deve ser partilhada!! Só o valor da cablagem (custo) não serve para o que o estado ganhou pela empresa toda

Anónimo 06.12.2016

Acho piada a estas recomendação, a PT investe na rede de fibra e depois é obrigada a abrir a rede aos concorrente???? mas isto faz sentido???? ora o continente abre um hipermercado em machico e depois o pingo doce pode utilizar esse hipermercado para vender os seus produtos???

Anónimo 06.12.2016

A meo é a ANACOM e que fazem os preços serem caros e são só a chupar o zé povo ainda bem que existe concorrência. Força Vodafone. A meorda que vá para a meorda e a ANACOM que vá junta. TDT nunca saiu de meorda porque foi uma ideia da meorda compactuar a com a ANACOM que é tudo a mesma meorda.

ver mais comentários
pub
pub
pub
}
pub