Indústria Volume de negócios na indústria abranda em Junho

Volume de negócios na indústria abranda em Junho

Ainda que o volume de negócios tenha subido, em termos homólogos, pelo oitavo mês consecutivo, a variação de Junho representa um abrandamento face a Maio.
Volume de negócios na indústria abranda em Junho
Paulo Duarte
Rita Faria 09 de agosto de 2017 às 12:10

O volume de negócios na indústria portuguesa cresceu 5,2% em Junho face ao mesmo mês do ano passado, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira, 9 de Agosto. Este foi o oitavo mês consecutivo de ganhos homólogos, ainda que a evolução de Junho represente um abrandamento face ao mês anterior (10,8%).

 

Este abrandamento explica-se pela travagem na subida das vendas tanto para o mercado externo como para o mercado interno.

 

Segundo os dados do INE, o índice que mede as vendas para o estrangeiro aumentou 8,8%, depois da subida de 12,3% registada em Maio, enquanto as vendas no mercado interno cresceram 2,8%, abaixo dos 9,6% do mês anterior.

 

As vendas de bens de consumo e de bens intermédios foram determinantes para a evolução positiva do volume de negócios global, com crescimentos de 10,9% e 7,1%, respectivamente.

 

Isto porque os bens de investimento passaram de um aumento de 7,2% em Maio para uma redução de 0,4% em Junho, enquanto o agrupamento de energia teve uma variação muito ligeira de 0,2%.

Tal como o volume de negócios, também os índices de remuneração e horas trabalhadas desaceleraram, com aumentos de 5,4% e 2% respectivamente.  

Na comparação em cadeia – ou seja, em relação ao mês anterior – o volume de negócios desceu 2,2% depois de ter disparado 15% em Maio.

Olhando para o conjunto do segundo trimestre, este indicador subiu 5,9% face ao mesmo período de 2016, abaixo do crescimento de 11,4% registado nos primeiros três meses do ano.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar