Comércio Volume de negócios no retalho cresce ao ritmo mais rápido em quatro meses

Volume de negócios no retalho cresce ao ritmo mais rápido em quatro meses

Em Novembro, o índice de volume de negócios no comércio a retalho registou uma variação homóloga de 4,8%, o ritmo mais elevado desde Julho deste ano. Em termos homólogos, tanto o emprego como as remunerações registaram uma desaceleração ligeira face a Outubro.
Volume de negócios no retalho cresce ao ritmo mais rápido em quatro meses
Bruno Simão
Ana Laranjeiro 29 de dezembro de 2017 às 11:27

O volume de negócios no retalho, em termos homólogos, atingiu em Novembro o crescimento mais acentuado desde Julho. Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), mostram que este índice registou uma variação homóloga de 4,8% no mês passado, o que assim representa a variação homóloga mais elevada desde o sétimo mês deste ano, altura em que se fixou nos 4,9%.

O gabinete de estatística indica que tanto o agrupamento de "produtos alimentares e de produtos não alimentares apresentaram acelerações, de 2,6 pontos percentuais e de 3,5 pontos percentuais, respectivamente, para variações homólogas de 4,8% e 4,7%, pela mesma ordem".

Em termos mensais, o volume de negócios no comércio a retalho aumentou 3,9%.

O INE publicou ainda esta sexta-feira, 29 de Dezembro, dados relativos ao emprego no comércio a retalho, remunerações e horas trabalhadas neste sector.

Assim, no que diz respeito ao emprego, em Novembro, em termos homólogos registou uma variação de 3,5%, o que fica ligeiramente abaixo do registado no mês anterior (3,6%). As remunerações seguiram o mesmo caminho: em Novembro registaram uma variação homóloga de 4,7%, quando, em Outubro, tinham registado uma variação homóloga de 5%.

O índice de horas trabalhadas, ajustado de efeitos de calendário, cresceu 0,1% em Novembro face ao mesmo mês de 2016.

 

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 29.12.2017

Já era tempo de a crise voltar de novo...

Anónimo 29.12.2017

Pelo menos 700.000 aumentaram significativamente o seu poder de compra.

pub