Automóvel Volvo admite transferir mais produção para a China

Volvo admite transferir mais produção para a China

A nova versão do Volvo S90 começa a ser produzida ainda em Novembro na China. A marca automóvel sueca diz que só um terço da produção ficará fora a China até 2020.
Volvo admite transferir mais produção para a China
Negócios 02 de Novembro de 2016 às 17:58

A sueca Volvo prepara-se para ver a sua produção aumentar em território chinês, dando continuidade a uma estratégia definida pelos seus donos.


Esta quarta-feira, 2 de Novembro, foram apresentadas novas versões do sedan Volvo S90 em Xangai pela Zheijiang Geely, a dona chinesa da Volvo. Entre as novidades está um sistema de refrigeração interno.


Os veículos começarão a ser produzidos na China já este mês, representando mais uma etapa para impulsionar as vendas do ícone sueco, escreve a agência Bloomberg.


O próprio magnata Li Shufu já admitiu que tem um plano para tornar a China no maior centro de produção automóvel do mundo.


A Volvo confirmou a intenção, com o CEO Hakan Samuelsson a reconhecer que apenas um terço da produção da sua marca automóvel será feita fora da China até 2020.


A Zheijiang Geely comprou a Volvo em 2010 por 1,5 mil milhões de dólares (1,35 mil milhões de euros, ao câmbio actual), fazendo-a regressar aos lucros três anos depois com o comando de Samuelsson.


Desde essa altura, recorda a Bloomberg, a Volvo tem vindo a reforçar a sua presença na Europa e Estados Unidos da América e expandiu-se em países em vias de desenvolvimento como a China, que é agora o seu maior mercado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub