Media Washington Post contraria tendência e vai contratar mais de 50 jornalistas

Washington Post contraria tendência e vai contratar mais de 50 jornalistas

Desde que o dono da Amazon comprou o jornal, em 2013, investiu cerca de 50 milhões de dólares. Agora, depois das assinaturas terem crescido 75% e as receitas do digital duplicado, o jornal vai reforçar a equipa.
Washington Post contraria tendência e vai contratar mais de 50 jornalistas
Bloomberg
Sara Ribeiro 28 de dezembro de 2016 às 11:56

Numa altura em que a maioria dos jornais está a enfrentar cortes nas redacções, o Washington Post prepara-se para reforçar a equipa com 50 a 60 pessoas. A notícia foi dada ao site Politico por Fred Ryan, editor e CEO do jornal que foi comprado pelo fundador da Amazon, Jeff Bezos, em 2013.

"Vamos contratar dezenas de jornalistas", disse o responsável, acrescentando que o jornal, o quarto maior dos EUA, "é lucrativo e está a crescer".

Com o futuro reforço da equipa, que vai começar a ser implementado em 2017 devendo estar terminado no final do primeiro trimestre, a redacção do Washington Post vai contar com cerca de 750 jornalistas. Um número que representa um aumento de 8% da força laboral e vai colocar a redacção do Post no terceiro lugar das maiores dos EUA. A Times lidera esta lista com 1.307 jornalistas.

A maioria das novas contratações vai ser para reforçar a elaboração de notícias em formato vídeo e áudio (podcast) mas também para reforçar o jornalismo de investigação. Aliás, Fred Ryan diz acreditar que um dos factores que tem levado ao crescimento das assinaturas do jornal é o trabalho de investigação.

Fred Ryan revelou ainda que desde o início do ano as assinaturas do Post cresceram 75% e as receitas do digital duplicaram nos últimos 12 meses, valores que, mais uma vez, contrariam a tendência do sector a nível global.

O crescimento no online deve-se, em grande parte, a uma das primeiras medidas implementadas por Jeff Bezos quando adquiriu o jornal. O líder da Amazon já investiu 50 milhões de euros desde que comprou o Post maioritariamente nesta área.

Além disso, a redacção do jornal conta com 80 profissionais especialistas nestas áreas, como engenheiros informáticos, que trabalham ao lado dos jornalistas diariamente.

Os responsáveis do Post acreditam que o número de subscritores e, consequentemente, as receitas vão continuar a crescer e a cobertura do mandato de Donald Trump irá ajudar.

O presidente eleito já criticou publicamente por diversas vezes o trabalho do Washington Post tendo mesmo acusado Jeff Bezos de usar o jornal para ter influência política e manter os impostos da Amazon mais baixos. Críticas que têm sido desvalorizadas por Jeff Bezos.

Jezz Bezos comprou o Washington Post em 2013 por 250 milhões de dólares, um negócio que marcou a saída da família Graham que teve o jornal em sua posse durante quase 90 anos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub