Turismo & Lazer Web Summit contribui para Novembro recorde na hotelaria

Web Summit contribui para Novembro recorde na hotelaria

Desde Fevereiro de 2015 que o número de dormidas de estrangeiros em Lisboa não crescia tanto. O país também segue a tendência, com subidas a dois dígitos em vários indicadores.
Web Summit contribui para Novembro recorde na hotelaria
Bruno Simão
Wilson Ledo 16 de janeiro de 2017 às 12:08

Portugal registou subidas superiores a 10% no número de turistas e dormidas em Novembro do ano passado, beneficiando do Web Summit, evento de tecnologia e empreendedorismo que decorreu em Lisboa de 7 a 10 de Novembro.

Se os hóspedes se ficaram nos 1,1 milhões, subindo 12,6%, as dormidas escalaram até aos 2,9 milhões. A evolução homóloga neste último indicador é de 14,7%.


Num mês em que abrandou o mercado interno, os externos "aceleraram, com o contributo de um importante evento internacional em Lisboa", explicou o Instituto Nacional de Estatística esta segunda-feira, 16 de Janeiro.


Das 902 mil dormidas em Lisboa, 687 mil foram de estrangeiros em Novembro. "Refira-se que o aumento das dormidas em Lisboa por parte de não residentes foi o maior desde Fevereiro de 2015 (+22,1%)", rematou a organização. Contudo, em Dezembro, a Associação da Hotelaria de Portugal apontava que o impacto do evento tinha ficado "aquém" das expectativas dos empresários do sector.


A nível nacional, em Novembro a taxa de ocupação subiu para os 34,8%, com cada quarto a render 28,1 euros. Os estabelecimentos hoteleiros conseguiram também aumentar os seus proveitos em 23,6% para os 153 milhões de euros. Lisboa contribuiu para este valor com 64,4 milhões de euros.


Reino Unido, Alemanha, Espanha e França mantêm-se como os mercados mais pesam no envio de turistas.

 

2016 próximo de subida a 10%


Entre Janeiro e Novembro de 2016, Portugal recebeu 18 milhões de hóspedes, que originaram 51 milhões de dormidas. Ambos os indicadores estão a poucas décimas de registar subidas de 10%.


Os estrangeiros representam sete em cada 10 dormidas. Se a estada média contraiu ligeiramente para as 2,84 noites, a taxa de ocupação subiu para os 50,2%. Tal significa que os estabelecimentos hoteleiros conseguiram ter os hotéis, em média, pela metade durante 2016.


Os proveitos totais subiram 17% para os 2,8 mil milhões de euros. Cada quarto rendeu 44,2 euros aos empresários dos sectores.


Em termos de nacionalidades, importa destacar as subidas superiores a 20% em termos homólogos pelos Estados Unidos da América e Polónia.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
De resto 16.01.2017

A montanha pariu o rato. Não serviu para NADA, ZERO

pub
pub
pub
pub