Web Summit Web Summit não vai competir com o Papa. Mas vai crescer em Lisboa

Web Summit não vai competir com o Papa. Mas vai crescer em Lisboa

Paddy Cosgrave, líder do Web Summit, diz que não tem condições para competir com o Papa, em termos de escala de um evento. No entanto, garante que ainda há espaço para crescer em Lisboa.
Web Summit não vai competir com o Papa. Mas vai crescer em Lisboa
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 10 de novembro de 2016 às 15:10

Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit, faz um balanço muito positivo do mega evento de tecnologia e empreendedorismo que reuniu mais de 53 mil participantes na capital portuguesa. E garante que, no próximo ano, ainda há "muito espaço" para crescer.

 

"Quando começámos, com 400 pessoas, a ideia de duplicar de tamanho era ambiciosa, mas fomos capazes de o fazer", referiu Cosgrave, numa conferência de imprensa, no Web Summit. "Mas há limites máximos. Não penso que tenhamos condições de competir com o Papa nos próximos tempos em termos de escala de evento".

 

No entanto, assegura, "há muito espaço de crescimento, nestas instalações que foram construídas para a Expo. Não estamos a usar todas as instalações. Vamos usar mais no próximo ano".

 

O CEO do Web Summit salientou ainda que o evento proporciona "um estímulo económico directo" na cidade, durante uma semana. Quanto aos efeitos mais duradouros, "têm de ser avaliados num período de tempo mais alargado, de 5 a 10 anos".  

 

"É preciso perceber: muda a percepção das pessoas sobre Lisboa e sobre Portugal? Portugal era conhecido por algumas start-ups como a Farfetch, a Codicy e a Uniplaces. Agora é conhecido por mais start-ups, pelo bom tempo e pelo café", gracejou. "Apaixonei-me totalmente pela cidade".

 

Na conferência de imprensa, Paddy Cosgrave congratulou-se também pela proporção de participantes do sexo feminino que marcaram presença no evento de tecnologia: mais do dobro do ano passado.   

 

"No ano passado, menos de 20% dos participantes eram mulheres. Até foi uma proporção muito alta, comparando com anos anteriores. Este ano, 42% eram mulheres, mais do dobro do ano passado", anunciou o CEO do Web Summit, confiante de que se trata da percentagem "mais elevada do mundo" num evento de tecnologia.

 

"É um passo significativo para o Web Summit, ainda que seja um pequeno passo no cenário global", acrescentou.

 

O líder do Web Summit anunciou ainda que, durante um evento, foram utilizados 67 mil dispositivos, o tráfego atingiu os 20 terabytes e os downloads de dados feitos durante o evento equivalem ao que um utilizador intensivo faria durante 30 anos. Além disso, foram trocadas na aplicação do Web Summit mais de um milhão de mensagens. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub