Media WPP reviu indicadores em baixa. Acções com maior queda em 19 anos

WPP reviu indicadores em baixa. Acções com maior queda em 19 anos

O maior grupo publicitário do mundo reviu as expectativas de receitas e vendas pela segunda vez em 2017. A redução do investimento das empresas em publicidade é um dos factores que justificam o cenário.
WPP reviu indicadores em baixa. Acções com maior queda em 19 anos
Wilson Ledo 23 de agosto de 2017 às 11:14

O WPP, o maior grupo de publicidade no mundo, reviu em baixa as suas expectativas de receitas e vendas para 2017. É a segunda fez que o faz este ano. O novo cenário levou as acções da empresa a cair mais de 13%, a maior queda em 19 anos numa só sessão.

As acções atingiram uma queda máxima de 13,3% para um mínimo de 1.382 pence, isto depois de desde o início do ano até ontem terem já desvalorizado 12%.

A empresa registou receitas de 7,4 mil milhões de libras (cerca de oito mil milhões de euros) até ao final de Junho, um aumento de 1,9% em termos homólogos. Contudo, as vendas estão a contrair 0,5%, abaixo das estimativas de quebra dos próprios analistas, cita o Financial Times.


Por isso mesmo, tendo em conta o abrandamento no segundo trimestre, o grupo liderado por Martin Sorrell – que integra marcas como a Ogilvy ou a Hill & Knowlton, que também operam em Portugal – apresentou novas perspectivas para o ano.


O aumento das receitas e das vendas em 2017 deverá ficar entre 0 e 1%, apontam. A justificar está a redução do investimento publicitário, "particularmente no sector dos bens de consumo rápido ou bens empacotados". Exemplo disso é a Unilever, cliente do WPP e dona de marcas como Becel, Knorr ou Lipton, que anunciou este ano uma redução do investimento publicitário em 30% e para metade do número de criativos envolvidos nas suas campanhas.


Em Março, o WPP já tinha revisto em baixo as perspectivas de crescimento, passando dos 3 para os 2%. Na altura, a redução do investimento publicitário nos Estados Unidos da América também surgia como motivo para preocupações. Apesar do Brexit, o Reino Unido continua a ser a única região a registar crescimentos, impedindo quebras mais acentuadas.


O mercado publicitário está marcado pelo lento crescimento global, pela incerteza política e ainda pelos novos modelos de negócios no digital, sobretudo com a influência do Google e Facebook, que têm levado a uma diminuição dos orçamentos dirigidos pelas empresas ao marketing e publicidade. Tal, obriga as agências a reduzir preços para manter negócios.

Sorrell assegurou que não existirão cortes de postos de trabalho no grupo WPP para compensar o cenário de contracção nas receitas.


No primeiro semestre, os lucros antes de impostos aumentaram 52,4% para os 779 milhões de libras, em comparação com igual período de 2016.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub