Empresas Yahoo muda de nome e perde Marissa Mayer

Yahoo muda de nome e perde Marissa Mayer

A CEO da Yahoo, juntamente com cinco directores, anunciou a intenção de abandonar o cargo assim que se concretizar a venda do negócio de internet à Verizon.
Yahoo muda de nome e perde Marissa Mayer
Bloomberg
Rita Faria 10 de janeiro de 2017 às 18:32

A CEO da Yahoo, Marissa Mayer, vai renunciar ao cargo após a conclusão da venda dos principais negócios de internet da empresa à operadora Verizon. E não é a única: mais cinco directores vão deixar a companhia, incluindo o co-fundador David Filo.

A intenção foi expressa num comunicado enviado ao regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos (SEC), onde a empresa sublinha que nenhum dos membros está a renunciar ao cargo devido a desentendimentos com a companhia ao nível das operações, políticas ou práticas.

Depois da operação, a nova empresa, que ficará com os activos que não serão vendidos à Verizon - como as participações na Alibaba e na Yahoo Japan, avaliadas em 40 mil milhões de dólares – mudará de nome para Altaba e irá reduzir o conselho de administração a cinco membros.

A Yahoo chegou a acordo com a Verizon para vender os seus negócios de internet por 4,8 mil milhões de dólares (cerca de 4,5 mil milhões de euros), em Julho do ano passado, mas a operação ainda não foi realizada. Segundo a Bloomberg, a Verizon começou a explorar a possibilidade de baixar o preço ou mesmo desistir do negócio depois de ter sido revelado que a Yahoo foi alvo de ataques de hackers que roubaram os dados de mais de mil milhões de utilizadores.

Responsáveis da Verizon já disseram publicamente que continuam a analisar o impacto financeiro completo dos ataques à Yahoo. "Infelizmente, não posso sentar-me aqui hoje e dizer com confiança o que quer que seja, porque ainda não sabemos", afirmou Marni Warden, vice-presidente da Verizon, numa conferência com analistas este mês.

Se e quando a operação se concretizar, os directores que vão permanecer na Altaba são Tor Braham, Eric Brandt, Catherine Friedman, Thomas McInerney e Jeffrey Smith. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub