Banca & Finanças Zona Euro perdeu um em cada quatro bancos desde 2008

Zona Euro perdeu um em cada quatro bancos desde 2008

"Processo de racionalização, conduzido pela pressão continuada para reestruturar e conter custos": é assim que o BCE vê a redução de 25% dos bancos existentes na Zona Euro entre 2008 e 2016.
Zona Euro perdeu um em cada quatro bancos desde 2008
Reuters
Diogo Cavaleiro 23 de outubro de 2017 às 13:38

Um em cada quatro bancos da Zona Euro desapareceu em oito anos. Esta é uma das conclusões do relatório sobre as estruturas financeiras do Banco Central Europeu, publicado esta segunda-feira, 23 de Outubro.

 

"O número de instituições de crédito no sector bancário da Zona Euro decresceu 25% entre 2008 e 2016", indica o documento. Contabilizando separadamente as entidades que pertencem ao mesmo grupo bancário, o número passou de 5.474 para 5.073 entre 2015 e 2016. Em 2008, eram 6.768.

 

Fazendo cálculos com uma base consolidada, ou seja, as entidades do mesmo grupo são contabilizadas como uma única instituição, existiam, no final de 2016, 2.290 instituições de crédito. O número representa uma quebra anual de 4%. Olhando para 2008, o número era de 2.904 instituições de crédito.

 

O documento da autoridade liderada por Mario Draghi (na foto) considera que está em causa um "processo de racionalização, conduzido pela pressão continuada para reestruturar e conter custos". Um processo, iniciado no pós-crise de 2007, que resultou "numa redução adicional" nas instituições de crédito.

 

A contabilização vem num comunicado do BCE, entidade favorável a concentrações bancárias. Danièle Nouy, que lidera o Mecanismo Único de Supervisão (que junta Frankfurt aos bancos centrais da região), já o assumiu publicamente:

 

"Há demasiados bancos a competir por clientes. Há uma grande probabilidade de o sector bancário vir a encolher. Todos os bancos precisam de rever os seus modelos de negócio. Alguns ficarão mais pequenos, outros podem fundir-se e outros poderão falhar. O resultado será um sector bancário com a dimensão certa que possa servir a economia", disse a responsável europeia numa conferência em Setembro passado.

 

Em Portugal, o Banif foi comprado pelo Santander Totta, que vai integrar, também, o Popular Portugal. Ambas as operações foram feitas no âmbito de medidas aplicadas com a autorização de Frankfurt. 


A acompanhar a redução do número de instituições de crédito está a diminuição do número de agências na Zona Euro, realidade por que Portugal continua a passar. 

 

"De qualquer forma, a dimensão global do sector financeiro da Zona Euro em Março de 2017 ficou em 76,2 biliões de euros, comparáveis aos 70,8 biliões de euros em Dezembro de 2015 e aos 55 biliões em Dezembro de 2008", sublinha o relatório da autoridade presidida por Draghi.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
bazanga Há 4 semanas

Ou seja, fez-se o contrário do que se devia fazer para n existirem bancos grandes demais para cairem. Deviam existir muitos mais bancos (mais pequenos) e não menos bancos (maiores). O problema apenas aumentou. Boa UE, boa!

Camponio da beira Há 4 semanas

Mas nunca se criaram tantas fortunas, que os proprietarios, por norma escondem ou recusam justificar a origem...

pub