Energia CEO da Galp ganhou mais de 1,6 milhões no ano passado

CEO da Galp ganhou mais de 1,6 milhões no ano passado

Ferreira de Oliveira melhorou em 4,9% os seus rendimentos como presidente executivo da Galp em 2013, auferindo um total de 1,64 milhões de euros e consolidando-se como um dos gestores mais bem pagos em Portugal.
CEO da Galp ganhou mais de 1,6 milhões no ano passado
Miguel Prado 28 de março de 2014 às 19:12

O presidente executivo (CEO) da Galp Energia, Manuel Ferreira de Oliveira, auferiu um total de 1,64 milhões de euros em 2013, valor que se traduz num aumento de 4,9% face à remuneração obtida em 2012 por Ferreira de Oliveira, que é um dos gestores mais bem pagos entre as empresas portuguesas cotadas em bolsa.

 

Manuel Ferreira de Oliveira recebeu em 2013 uma remuneração-base de 1,07 milhões de euros, exactamente igual à que teve em 2012, a que se somaram 267 mil euros da componente de PPR (em linha com o ano anterior) e mais de 305 mil euros de remuneração variável (face a 229 mil euros de prémios em 2012), de acordo com o relatório de governo da sociedade da Galp.

 

A remuneração global dos administradores executivos da Galp Energia ascendeu a 6,48 milhões de euros no ano passado, mais 3% do que o montante auferido no ano anterior, revela ainda o relatório e contas de 2013 da Galp, publicado esta sexta-feira pela companhia petrolífera.

 

A remuneração-base da comissão executiva da Galp recuou, de 3,55 para 3,48 milhões de euros, mas fora dessa rubrica registou-se um aumento substancial dos prémios, que passaram de 1,18 milhões de euros em 2012 para 2,02 milhões de euros em 2013, embora nos prémios de 2013 se inclua já uma componente de um milhão de euros do prémio plurianual dos administradores que só será efectivamente paga em 2015.

 

Já os gastos da Galp com os administradores não executivos recuaram de 1,34 milhões de euros em 2012 para 733 mil euros em 2013, segundo o documento com as contas anuais da petrolífera.

 

Somados os executivos e não executivos, bem como os órgãos sociais de subsidiárias do grupo, as remunerações globais dos órgãos sociais da Galp observaram em 2013 um acréscimo inferior a 1%, cifrando-se em 9,69 milhões de euros.

 




A sua opinião32
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 28.03.2014

E andam aí uma CAMBADA DE NOGENTOS IMBECÍS a discutir , sem chegar a acordo, 15€ de aumento do ordenado mínimo.
SÓ UM TOTO vai votar nesta SEITA NOGENTA!..................,

comentários mais recentes
Maria Sobral 17.04.2014

É de lamentar...
Pagamos uma brutalidade pelo gás que nos é fornecido, uma gasolina das mais caras da Europa, e um serviço de péssima qualidade. Aluguei uma casa no dia 1 deste mês (abril), pedi a ligação do gás, já existia na casa antes, estou a pagar o aluguer e não posso me mudar para lá, pois desde o dia 2 deste mês quando foi feito o pedido até hoje, dia 17 ninguém sequer me deu uma resposta, de quando iriam ligar...É um abuso de poder, só lamento a casa não ser minha, mudava de imediato para o gás de botija, pelo menos essa é só ir comprar, e não seria da Galp!
Lamento a situação a que chegou o nosso País, estes senhores mereciam era ir trabalhar a ganhar o salário mínimo para verem o que é difícil!!!

antomarce 31.03.2014

Sem comentários..........

Anónimo 30.03.2014

Como é possível. Gente que nunca fez nada na vida...ganhar milhões...explorando comsumidores!

Anónimo 30.03.2014

Por este posto e por outros, que porventura tenha, quanto é que ele pagou de impostos ao Estado? Os vencimentos na EDP, águas, cimenteiras, etc., etc., são obscenos, mas seria interessante saber qual é, de facto, o valor dos impostos que esta gente paga ao estado.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub